“PERSEVERAR...”

Por Irm.'. Nuno Raimundo
Quando em Maçonaria se afirma que esta é uma instituição iniciática, que promove o progresso e evolução da humanidade, através do auto aperfeiçoamento dos seus membros, só se pode dizer que tal só é possível, se existir uma enorme “dose” de perseverança na atitude dos seus membros.
Tanto que esta qualidade a par de outras também importantes, é das que talvez, no meu entender, seja de maior relevância para os maçons.
É somente tendo uma atitude perseverante que o maçom poderá almejar atingir os objetivos a que se proporá, nomeadamente no que toca ao seu aperfeiçoamento pessoal.


Tal como na vida profana, apenas agindo de forma perseverante e laboriosa, é que alguém consegue obter alguma coisa a que se proponha a ter ou alcançar. Nada cai nas nossas mãos de “mão beijada” e até é habitual se afirmar que “não há almoços grátis”; logo apenas trabalhando em prol de algo, se consegue alcançar ou aceder a tal.

E ser perseverante não é nada mais que ter uma atitude positiva face às contrariedades  da vida, ter a coragem necessária para ultrapassar essas adversidades que se vão atravessando no nosso caminho, apreendendo algo com essas situações menos positivas, transformando-as numa motivação suplementar que potenciará a nossa vontade de atingir as metas a que inicialmente nos propusemos a atingir e fundamentalmente ter a noção de que apenas com o nosso empenho e com o nosso trabalho é que tal poderá ser possível. Nada mais simples que isto.

Mas apesar de toda esta aparente simplicidade, alguns problemas se poderão colocar; uma vez que não é na teoria em si, que acima explicitei e que se suporá de fácil concretização, mas será na parte prática que vamos encontrar as maiores dificuldades a ultrapassar.

É verdade que custa agir de uma forma plenamente perseverante a todo o momento, pois nem sempre temos a motivação necessária e nem sempre conseguimos encarar a vida com o respeito e com a nobreza que ela merece ser vivida.

Quantas vezes não acordámos nós sem ter vontade de nada fazer, estando deprimidos e de “mal com a vida”?!

E com a trágica ideia de que tudo o que possamos fazer não correrá como o esperado?

Ou que tudo o que façamos (nesses dias) será visto como algo negativo ou ineficaz?

Tal acontece e sempre acontecerá… 

Somos humanos e nem sempre temos as “defesas” que queremos ter e nem sempre tudo pode decorrer como desejaríamos como sucedesse. Essa variável é que torna a vida ser interessante em ser vivida.

Parece antitética a afirmação que fiz, mas é a verdade.

 Se fosse tudo sempre igual, teríamos tanto prazer em viver?

Talvez, por uns tempos, porque depois da rotina instalada tudo seria igual, tanto o “dia como a noite” não teriam diferença sequer…

Por isso é que também é necessário ao ser humano que por vezes algo considerado como negativo ou menos positivo, possa acontecer. Essas más experiências serão novas lições a serem adquiridas e as consequências dessas situações permitem sempre novas aprendizagens que a longo prazo serão assumidas (em alguns casos) como uma mais valia na vida de cada um. Mas com paciência e com um espírito resiliente até, tal será ultrapassável.

- Naturalmente que estou a falar num sentido muito amplo. Ninguém deseja passar por situações traumáticas ou que lhes seja prejudicial e/ou que prejudique outros por isso, apenas para “aprender a viver”... -

E “baixar os braços” e ter uma atitude de resignação e derrotista face a esses momentos negativos que por vezes sucedem na nossa vida, não nos trará nada de benéfico, apenas infelicidade e tristeza. Por isso somente uma atitude pode prevalecer. Ser perseverante!

E se com o nosso sentimento de perseverança conseguirmos cativar outros, através da prossecução do nosso exemplo, na nossa forma de estar e de agir no meio que nos rodeia, para que também eles possam atuar da mesma forma nas suas vidas ou pelo menos sentirem-se inspirados para tal, tanto melhor.

- Não temos de ser líderes nem guias espirituais, mas como maçons, temos a obrigação de fomentar e de exercer na sociedade os valores que assumimos como nossos e como tal, devemos ambicionar e propormo-nos a agir de forma a que o progresso e a evolução dos povos possa suceder sem altercações de maior. -

E se com a nossa atitude conseguirmos mudar a forma de vida dos outros e torná-la em algo melhor ou em algo que lhes proporcione alcançar as “ferramentas” para que isso possa ser ambicionável, tal é do mais gratificante que se possa sentir. Seja porque através da nossa própria atitude, conseguimos transformar a vida dos outros para melhor, bem como em relação à nossa vida pessoal, esta poderá ter uma perspetiva em que pelo menos a maioria das coisas a que nos proponhamos a cumprir, poderão de facto ser exequíveis. Apenas ficando por cumprir aquilo que não dependerá somente de nós próprios ou da nossa boa vontade.  Mas essa variável sempre existirá…


Por isso, não podemos tudo, mas podemos fazer algo para que tal possa acontecer…
Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro