OS CÁTAROS

Tradução José Filardo
(Iluminura das Grandes Crônicas de França. Biblioteca Britânica, Londres. Foto D. R. )
Introdução
Entre os séculos X e XII, uma “heresia” misteriosa emergiu no sul da França. Logo, a sua expansão e sua ameaça são tais que a Igreja Católica é forçada a empreender uma guerra para erradicar esta religião. Duas Cruzadas serão conduzidas pelo reino da França; trata-se principalmente de o rei da França dominar toda a Languedoc e Aquitania. A luta contra os cátaros vai acabar com a queda da fortaleza de Montsegur em 1244.

O Contexto
A civilização Occitana
No século XII, no sudoeste da França é uma região muito diferente daquela do norte do Loire.
Alí se fala uma língua distinta (langue d’oc e não d’oil) e uma civilização brilhante e refinada floresce. Movendo-se de castelo em castelo, os trovadores, poetas e músicos cantam o amor, mas também a honra e a negação do direito do mais forte. Estas ideias e valores estão presentes em uma região onde as pessoas educadas, especialmente nas cidades, mantinham vivas as memórias da civilização romana. Regras, leis e códigos limitam o poder dos grandes e regem as relações que os unem a seus vassalos e seus súditos. Enquanto que na Ile de France, o rei luta a cavalo e se impõe de várias maneiras a seus vassalos recalcitrantes, nas cidades do Midi languedociano e na Aquitaine, os habitantes elegem cônsules ou conselheiros que governam e falam de igual para igual com os senhores de quem dependem. Mais livres, as cidades do Sul também são mais acolhedores às ideias estrangeiras: sua importante atividade comercial (Toulouse é a terceira cidade da Europa) os coloca em contato com muitos países. Os comerciantes que trocam mercadorias e bens, desenham ideias então eles espalham em seguida pela Occitânia.

A origem da religião cátara
É neste ambiente que se espalhou uma nova religião cujo sucesso foi tão rápido que assustou a Igreja Católica.
Esta última foi em parte responsável por esse crescimento extraordinário: criticada por todos os lados e incapaz de se reformar, ela preparou o terreno sobre o qual os cátaros puderam criar raízes. Muito antes do aparecimento da religião cátara, muitos monges haviam pregado a revolta aberta contra a Igreja, seus sacerdotes e seus sacramentos: a exigência de maior simplicidade na relação dos homens com Deus, um retorno à uma fé menos prisioneira do ambiente luxuoso que havia invadido a Igreja eram alegações muito difundidas na época. Mas o catarismo era muito mais do que um movimento de simples crítica; ele era também, e acima de tudo uma religião diferente do catolicismo romano. A tradição que o alimentava era muito antiga, uma vez que se desenvolvera a partir do século VII a. C. , em torno de uma personagem importante da antiguidade, o profeta persa Zoroastro. Este último pensava existir no universo dois princípios irredutíveis, o Bem e o Mal, em luta permanente, um contra o outro. As ideias de Zoroastro exerceram uma influência considerável em toda a Antiguidade e elas eram, em linhas gerais, mais uma vez retomadas no terceiro século d. C. pelo profeta Mani, o fundador da doutrina maniqueísta.

No século X, na Bulgária, esta doutrina deu à luz aos Bogomilos (De Bogomil, o fundador da seita), que havia retomado as ideias religiosas das concepções maniqueístas. Posteriormente, muitas vezes se estabeleceu um vínculo de filiação entre os cátaros e o Bogomilismo; no entanto, essa relação é hoje contestada. Se essas duas doutrinas são muito próximos, parece que Catarismo derivou diretamente do cristianismo e das doutrinas Marcionitas (de Marcião) e gnósticas. O Catarismo é, de fato, o resultado de um trabalho escritural, oferecendo uma interpretação diferente dos Evangelhos, incluindo a rejeição de todos os sacramentos da Igreja Católica (batismo nas águas, adoração de relíquias, casamento, etc.)

O desenvolvimento da religião cátara
A religião cátara deriva seu nome do termo grego catharos, que significa puro, porque ela dá como meta para o homem chegar a perfeita pureza da alma. Durante o período de sua vida terrena, considerado uma prova, o homem deve se esforçar através de um comportamento apropriado, para romper com a matéria, o mundo físico e necessidades grosseiras. Para os cátaros, também chamado de albigenses (da região de Albi), tudo isso representa o Mal que se opõe ao Bem, isto é, a alma purificada, ignorante dos desejos do corpo. Aqueles que conseguem purificar sua alma descansam para sempre no Bem depois da morte. Os outros devem se reencarnar indefinidamente. Para os cátaros, a morte não era temida, porque ela podia significar a libertação. Este desprezo pela morte lhes deu a energia para lutar contra o rei da França e o Papa. Desde 1147, monges foram enviados para devolver à razão os Albigenses, mas todos falharam. A última tentativa foi a de São Domingos (fundador da ordem dos Dominicanos), mas ele teve sucesso apenas limitado. O Papa veio gradualmente a acreditar que era preciso lançar uma guerra santa contra eles. A ruptura entre cátaros e católicos foi total em 1208, quando o Legado papal foi assassinado.

Crentes e Perfeitos
Os cátaros e aqueles chamados “Perfeitos” ou “Homens Bons”, que desempenhavam de alguma forma o papel de sacerdotes, deviam observar regras muito estritas. Eles eram obrigados a jejuar com frequência, e uma série de alimentos lhes eram proibidos em tempos normais. Eles não construíam templos; eles oravam e pregavam em qualquer lugar, sempre que surgia a oportunidade. Eles rejeitavam todos os sacramentos, exceto o Consolamentum. Este se referia aos crentes que desejam se tornar Perfeitos (espécie de batismo). O crente assumia o compromisso de respeitar as regras específicas dos Perfeitos: não mentir, nem jurar; não ter relações sexuais e uma dieta muito rigorosa… Recebendo o abraço de seus iniciadores, que, em seguida, se ajoelhavam diante dele, o novo Perfeito deveria sentir descer sobre ele o Espírito Santo. Embora pudessem dar suas opiniões livremente, os Cátaros se vestiam de preferência de preto. Após a repressão, eles se contentavam em esconder uma faixa preta sob suas roupas comuns.


Bernard Delicieux, o agitador de Languedoc (desconhecido, século XIX)



A luta contra os cátaros

A primeira cruzada contra os Albigenses (1209 – 1218)

O assassinato de seu legado levou o papa a mover uma cruzada contra os hereges. O rei de França, Philippe Auguste respondeu ao chamado e deixou seus vassalos mais poderosos, o duque de Borgonha, os condes de Montfort e Saint. Pol tomar a frente do exército. Estes serão 300 000 cruzados que descem o Vale do Rhone. O Conde de Toulouse, Raymond VI , suspeito de cumplicidade no assassinato do legado juntou-se à Igreja e voltou-se contra seus próprios súditos. O exército dos cruzados cercou a cidade de Beziers, uma cidade solidamente fortificada. No entanto, os habitantes fortes devido a esta sensação de segurança, atacavam os acampamentos que estavam ao pé das muralhas. Os vulgares (cavaleiros e mercenários recrutados para a expedição) se aproveitaram que as portas das muralhas foram abertas para abrir o seu caminho até o interior da cidade e para fazer penetar em seguida, uma parte do exército. Aos soldados a quem se perguntava como distinguir, entre a população, quem eram os hereges daqueles que eram fiéis, o abade de Cister, Arnaud Amaury respondeu com esta frase terrível: “Mate-os todos, Deus reconhecerá os seus! ” O incêndio do Languedoc começou: a cidade foi queimada e seus habitantes massacrados. Depois de Béziers, foi a vez de Carcassonne, onde o exército se anunciou em fim de julho de 1209. A alma da resistência da cidade era o jovem visconde Roger de Trencavel. O cerco durou três semanas, os sitiantes privaram a cidade de água, forçando os defensores a negociar. Trencavel que veio parlamentar foi feito prisioneiro pelos cruzados, quebrando assim o código de honra da cavalaria.Simon de Montfort , um Cavaleiro Cruzado cuja coragem tinha sido notável foi escolhido para suceder aos bens de Trencavel. No entanto, seus súditos lhe eram naturalmente hostis. Além disso, até sua morte em 1218, ele esteve constantemente em guerra contra seus súditos recalcitrantes.

Simon de Montfort, vencedor e vencido

Após esses cercos longos e cansativos, os cruzados vitoriosos ofereceram-se para poupar os hereges que concordassem em renunciar à sua fé, mas eles eram muito poucos. Pelo ferro, fogo e sangue, a cruzada continuou, mas a questão que ficava mais clara a cada dia, era para os senhores do Norte controlar o sul. O Conde de Toulouse e o rei de Aragão, eventualmente ficaram preocupados e, em 1213, eles uniram forças para atacar  Simon de Montfort  no castelo de Muret. O assalto foi interrompido apesar da vantagem numérica, Pierre de Aragon foi morto, e  Raymond VI  teve que se retirar para sua cidade de Toulouse, que mais tarde foi invadida pelo exército de  Simon de Montfort . Mas o povo manteve uma lealdade profunda e preferia ir para a fogueira cantando, ao invés de negar sua fé. Quando  Raymond VI  e seu filho Raymond VII voltaram da Inglaterra, onde eles tinham se refugiado, eles foram recebidos com muito entusiasmo. Uma revolta popular tinha expulsado os cavaleiros franceses da cidade de Toulouse. Diante dessa notícia, Montfort  correu imediatamente para sitiar a cidade, onde foi morto em 1218. Sua morte foi recebida com gritos de alegria: os Cátaros viam desaparecer o mais cruel dos seus inimigos.

Simon de Montfort
Líder da cruzada contra os albigenses, ele liderou a guerra com coragem e crueldade.

Ele já havia se distinguido por sua bravura durante a Quarta Cruzada. Ele representava o “puritanismo do Norte”. Ele era o oposto perfeito de seu inimigo, o Conde Raymond VI de Toulouse , símbolo do “libertino do sul.”

Eles são o modelo do choque entre duas culturas.


A segunda cruzada contra os Albigenses (1226)
Em 1224, novas ameaças tornaram-se mais claras sobre o país Occitano. O novo rei  Louis VIII se mostrará ainda mais cruel do que seu pai Philippe Auguste . Em 1226, enquanto os lordes e condes do Sul viam-se reinstalados em suas terras, um segundo exército cruzado varreria o Languedoc, com o próprio rei de França, à sua frente. A maioria das cidades entravam em colapso ou se submetiam com bastante facilidade. Apenas Avignon opôs uma feroz resistência por três meses. A morte de  Louis VIII salvaria Toulouse de um novo cerco, mas as rendições sucessivas de seus vassalos terminariam por convencer Raymond VII de que era melhor capitular. Pelo Tratado de Meaux assinado em 1229, o conde de Toulouse se comprometeu a permanecer fiel ao rei e à Igreja Católica, liderar uma guerra incansável contra os hereges e casar sua única filha com o irmão do novo rei da França ,  Louis IX para preparar a anexação do Languedoc à França. Após a assinatura do tratado e o retorno de Raymond VII em Toulouse, o tribunal da Inquisição foi criado e confiado a um punhado de dominicanos.

Com um poder ilimitado, os inquisidores vasculharam o Sul em busca de hereges. Mas, estas medidas não foram suficientes para sufocar o desejo do Sul de acreditar e governar como bem entendesse. Uma segunda revolta sacudiu a região depois do assassinato, em 1242, dos juízes da Inquisição pelos cavaleiros cátaros.

Batalha de Muret

A batalha de Muret, em 12 de setembro de 1213, foi um ponto de viragem na luta para o Sul Occitano, com vantagem para o exército real.



(Bibliotheque Nationale de France)

A Tomada do Castelo de Montsegur
Uma paz foi finalmente assinada em Lorris em 1243 entre o Rei de França e o Conde de Toulouse. Era o fim da Occitânia independente e, especialmente, do catarismo. Para desferir o golpe de misericórdia, no entanto, foi necessário tomar a fortaleza de Montségur, um símbolo da rejeição da autoridade real, onde 400 refugiados crentes da religião cátara se refugiaram. A posição da fortaleza (um pico dominante de mais de cem metros sobre as terras vizinhas) dava uma sensação de imensa confiança aos sitiados. Durante um ano, eles desafiaram com sucesso a autoridade do rei e do papa.

Os 10 mil soldados engajados no cerco só podiam observar a ineficácia das catapultas que lançavam pedras contra as muralhas. No entanto, uma noite em julho de 1244, graças ao reforço de um grupo de alpinistas acostumados a escalar e conhecendo perfeitamente o lugar, os atacantes conseguiram penetar no lugar de surpresa e conseguiram obter sua capitulação completa. Não dispondo de qualquer porto seguro, perseguidos pelos inquisidores, os últimos cátaros viviam como animais caçados, às vezes provocando breves revoltas. Os Perfeitos sobreviventes emigraram para a Catalunha, Sicília e Lombardia. Assim desaparecia a cultura mais refinada da época: a civilização Occitana originária do mito da cavalaria, da honra cavaleiresca e do amor-cortês, honrado pelos trovadores.

Montsegur, fortaleza inexpugnável

Montsegur não era um castelo como os outros.
Os arquitetos que o construíram tinha o desejo de construir um edifício facilmente defensável. Mas eles também tinham o desejo de construir um verdadeiro templo da religião cátara. Assim, a orientação do edifício não era apenas devido ao acaso: seus principais eixos estavam em alinhamentos que indicaram no horizonte, os locais onde o sol nascis e se punha em determinadas épocas do ano (equinócios e solstícios). O Sol desempenhava um papel importante como um símbolo da Luz e do Bem na religião dos cátaros. Montsegur tornou-se um símbolo do renascimento Occitano.


O tesouro dos cátaros
Após a queda de Montsegur, muitas cátaros emigraram para a Itália. Foi para lá que eles sem dúvida transferiram o seu tesouro. Trata-se talvez do velho tesouro visigodo de Alarico escondido nos arredores de Carcassonne. No entanto, no início do século XX, perto de Rennes-le-Château, o Abade Berenger Saunière realiza exuberante gastos sem que se saiba de onde vinha sua fortuna. Uma coisa é certa, este sacerdote achou o tesouro. Poderia ser o tesouro dos cátaros? Não nos esqueçamos que durante o cerco de Montsegur, um punhado de sitiados fugiu do castelo para um misterioso destino.

Fontes e links
·         Encyclopédie Tout l’Univers (Hachette)
  
·          






Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro