ARQUIVO O MALHETE

quinta-feira, 25 de março de 2021

TODO MAÇOM DEVE EVITAR VIVER COM A MORALIDADE DE TARTUFO

Clique no player

Tartufo, em ilustração do séc. XIX (III ato, cena 3)

A história da humanidade se caracterizou pela exploração do homem pelo homem. Guerras, torturas, genocídios e uma lista interminável de atos miseráveis ​​do homo sapiens, que revelam que a capacidade racional não faz inteligência.

A própria vida humana é tentativa e erro, no entanto, existem erros e horrores, e essa é a diferença notável entre as ações do leigo e as ações do maçom.

Neste mundo de horrores - mais que erros - produto da ignorância em que se busca manter o ser humano com propósitos e interesses muito sinistros, está o iniciado na luz maçônica, que trabalha no conhecimento de si mesmo buscando o “despertar” para conseguir ver a realidade do mundo além dos fenômenos que impressionam os sentidos e entregam uma falsa imagem da realidade, como ilustrado notavelmente no mito da Caverna de Platão: “as sombras são a realidade dos prisioneiros, mas não são representações precisas do real mundo ".

sábado, 13 de março de 2021

REFLEXÕES SOBRE A MAÇONARIA


Por B. Empler

Apesar da boa saúde, do conforto da vida moderna e da segurança de uma renda suficiente, muitas pessoas hoje estão insatisfeitas com a rotina e a superficialidade da vida moderna e estão tentando se conectar com verdades mais profundas e fundamentais. O que procuramos para tornar nossa vida interessante? Uma ruptura com a monotonia. Ficar o tempo todo trancado em um escritório pode ser quase insuportável e claustrofóbico. Passar pela vida seguindo a mesma rotina enfadonha com atividades ocasionais de fim de semana todos os dias pode ser extremamente insuficiente. Alargar o nosso horizonte torna a nossa vida mais interessante e dá-nos uma sensação de liberdade. Uma aventura espiritual. Aprender e descobrir coisas novas, trocar ideias, fazer amizades, estudar diferentes culturas é uma jornada excitante, inusitada, imprevisível, que sempre acaba sendo uma experiência ou encontro interessante. Uma vida plena gira em torno da constante curiosidade e sede de conhecimento. Quando envelhecermos, devemos ser capazes de olhar para trás em nossas vidas com alegria e apreciar as oportunidades que aproveitamos para explorar o vasto mundo ao nosso redor.

domingo, 7 de março de 2021

OS 7 PECADOS CAPITAIS

Clique no player abaixo para ouvir o artigo

 


Autor: Andres Alvarez

No século XIV uma língua românica ganhou força na Itália sobre outros dialetos da região, desenvolvida na Idade Média, foi imposta graças ao prestígio de escritores importantes como: Francesco Petraca, Giovanni Boccaccio e Dante Alighieri.

Mais de um século depois, com a ascensão de Maquiavel, ratifica a dignidade do toscano como uma "língua iterária" da Itália, a passagem da história à modernidade, dilui o toscano com o passar do tempo, deixando o italiano moderno como língua oficial.

sexta-feira, 5 de março de 2021

PORQUE O MAÇOM COMEÇA A CAMINHADA COM O PÉ ESQUERDO

Clique no player abaixo


Uma possível explicação

Ao contrário do que se possa pensar, começar a marcha com o pé esquerdo é um costume muito antigo, que começou há milênios, e nada tem a ver com azar.

As principais pinturas e esculturas de deuses e faraós egípcios sempre mostram o pé esquerdo para a frente, enquanto as ilustrações de pessoas comuns em situações cotidianas destacam o pé direito. Isso é uma coincidência?

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

MAÇONARIA E PROGRESSO

 por Antonio Binni (*)

Progresso. O termo designa a transição de uma situação para outra. Porém, nenhum outro. Mas outra melhoria em relação ao anterior. O coração da palavra indica movimento. Como confirma a raiz, a palavra deriva do verbo latino progredior que, de fato, significa apenas “ir mais longe”, “ir para a frente”, que é exatamente a direção para a qual se orienta o progresso.

Como ideia, o termo designa o caminho do homem para o melhor - cultural, social, moral, material - sobretudo graças à progressiva aquisição do conhecimento, com a convicção de que o verdadeiro, o bom e o certo residem no futuro. Com a conseqüência adicional de que o passado, gravado em cada pedra do homem, e o presente, fugaz e fugaz, são destituídos de um significado completo em si mesmos, uma vez que adquirem significado apenas com referência ao próprio futuro.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

A MAÇONARIA E O BRASIL DA CONSTITUIÇÃO CEGA

 Por Marco Antônio Piva  – MM – MI – Cav. R+

Fonte: Bibliot3ca Fernando Pessoa

Uma sugestão para as reuniões da COMAB, da CMS e da Suprema Congregação do GOB

Meus diletos irmãos, particularmente aqueles que dirigem as dezenas de Obediências maçônicas espalhadas pelo nosso território, e me refiro aqui, somente às chamadas reconhecidas.

Primeiro, é preciso lembrar qual o papel do maçom na sociedade e da própria Instituição, da razão pela qual ela, Maçonaria, se institucionalizou a partir de 1717, em Londres, não por um punhado de pedreiros ignorantes que colocavam pedras em pilhas para subir paredes. Esses bravos artesãos já tinham praticamente desaparecido do cenário londrino e cosmopolita dos países europeus.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

A MAÇONARIA PODE DESAPARECER?

Alguns céticos sobre a ação e missão da Maçonaria, o clima antimaçônico constantemente alimentado pela mídia pode sugerir que a Maçonaria irá desaparecer antes do final deste século. Isso se apóia no fato de termos deixado de assumir o papel histórico que nos distinguiu no passado, além de não termos mais figuras de prestígio, proeminência, influência intelectual e social. As conclusões iniciais poderiam ser baseadas em estatísticas, mas nenhum número, mesmo que se refira a uma escala mundial, pode demonstrar essa teoria absurda, pelo contrário, destaca que são apenas índices de referência e, sobretudo, o efeito de uma causa.

O maçom da deformação mental analisa todas as manifestações do pensamento e também deve levar em conta isso, o que, sem dúvida, abre questões sobre as quais devemos refletir.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

A MAÇONARIA E O RACISMO

 Por E. Figueiredo (*)

Ouça esta matéria

“Ninguém nasce a odiar o outro pela cor da pele,

pela origem ou pela religião. As pessoas aprendem

a odiar e, se podem, aprender a odiar,

 também podem apreender a amar!”.

Nelson Mandela (1918-2013)

Ao término de uma palestra sobre racismo, um grupo (todos Maçons), que assistia ao colóquio, se dirigira a um restaurante, e, lá o assunto versava sobre a exposição do palestrante cujos conceitos ainda ecoavam em seus ouvidos. Um deles estava entusiasmado com as frases, que o orador incluía na sua locução, tendo anotado duas delas, a que mais gostou: “Você pode me disparar com suas palavras, pode me cortar com seus olhos, pode me matar com seu ódio, mas, ainda assim, como o ar, eu me levantarei!” e “O preconceito é um fardo que confunde o que passamos, ameaça o futuro e torna o presente inacessível!” Ambas são de autoria de Maya Angelou (1928-2014), figura extraordinária das letras norte-americanas.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

SACRALIDADE DO TEMPLO

 

 Os Templos são lugares sagrados, entendendo como ′′ sagrado ′′ tudo o que relaciona o homem com a divindade e é oposto a ′′ profano ". Desde a mais remota antiga, os templos foram construídos para simbolizar a união entre o humano e o Divino.

Primeiro, o conceito de divindade e só depois o conceito de sagrado, expressando a inefabilidade da relação entre o homem e a sua divindade.

Para compreender os momentos e o valor da sacralidade, primeiro foram definidos os lugares que apresentavam requisitos especiais de natureza energética e construídos templos, foram estabelecidos os ritos pelos primeiros iniciados, ou seja, aqueles que tiveram os poderes diretamente pelos chamados deuses. Os Templos e os lugares que lhes são circunscritos (bosques, planícies ou montanhas) eram considerados sagrados e na maior parte das vezes eram cercados. Nos tempos antigos, o homem ia para a divindade como filho se dirige ao próprio pai, sem intermediários.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2021

MAÇONS DESPORTISTAS

 

Os maçons deixaram sua marca na história como políticos, historiadores, professores e presidentes. Também houve muitos maçons proeminentes que fizeram progresso em profissões mais criativas e fora da caixa, como escritores, músicos, magos e até astronautas. Houve vários atletas maçons ilustres que fizeram seu nome tanto dentro quanto fora do campo e demonstraram como os maçons podem influenciar as massas de maneira positiva.

Todos nós sabemos que jogar ou assistir a um esporte é um passatempo muito querido em países de todo o mundo. Mas o que muitos não sabem é como os maçons contribuíram para o processo de criação e divulgação de jogos que são muito populares hoje.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

RITUAIS DE PASSAGEM

Por Irmão Francisco Ariza

Roda da Fortuna em uma gravura de 1165

O ano que já passou é um tempo sem volta possível na espiral evolutiva e cíclica do Universo, onde, precisamente por isso, nada se repete duas vezes da mesma forma, embora haja sempre momentos análogos entre si, e história pessoal e a dos povos nos dá numerosos exemplos disso. As próprias estações geradas pelas quatro posições cardeais do Sol em sua rotação anual se repetem indefinidamente e, no entanto, são sempre diferentes. Não há um "eterno retorno", que é uma impossibilidade metafísica, mas sim uma sucessão de ciclos que se ligam constituem a totalidade do que se manifesta no tempo e no espaço, e onde o maior contém o menor, senão as leis aquilo pelo qual todos eles são governados são idênticos, daí as analogias e correspondências.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

O MITO DE ER E O SIGNIFICADO DA VIDA

Por Giancarlo Guerreri

Num mundo caótico como o atual, onde apenas um acidente tão inesperado e catastrófico como um vírus pode nos fazer parar para refletir sobre nós mesmos, alguns Mitos que conseguiram desafiar os milênios nos ajudarão a entender melhor o Significado da Vida e talvez a melhorar a nós mesmos.

Momentos históricos, caracterizados por dramas inesperados, sacodem a alma por dentro colocando-nos diante de realidades inimagináveis, longe de qualquer modelo previsível. No entanto, a Realidade às vezes excede em muito nossa imaginação fervorosa, reduzindo nosso Ego ainda mais, fazendo-nos refletir sobre nosso verdadeiro desamparo ou a falta de controle de todo o sistema.

sábado, 9 de janeiro de 2021

MAÇONARIA: SUAS PROPRIEDADES E ÂMBITO DE ATIVIDADES

 Por Richard B. Spence Ph.D. , Universidade de Idaho

A Maçonaria começou originalmente com pedreiros reais. Mas com o tempo, outros membros foram iniciados que pertenciam às classes mais altas, aristocracia e até mesmo a realeza. Por quê isso aconteceu?

Os vários membros da Maçonaria

A Maçonaria Britânica tornou-se conhecida do público em 1717. Ela continuou se expandindo para 1.000 lojas na década de 1860, 2.000 na década de 1880 e 3.000 no início do século XX. Em 1900, o número de maçons britânicos era de 250.000. Mas, em comparação com a população de quase 40 milhões, era apenas uma pequena fração. Os membros eram homens ricos e poderosos da classe alta. A Grande Loja da Inglaterra não considerava todas as outras lojas legítimas. Portanto, as lojas irregulares atraíram rebeldes morais e políticos como o ocultista Aleister Crowley, outrora conhecido como o 'homem mais perverso do mundo'. Ele estava conectado a organizações esotéricas como a Ordem Hermética da Golden Dawn e a Ordo Templi Orientis, ou OTO, que tinham origens maçônicas. No entanto, a Grande Loja declarou que Crowley não tinha nenhuma associação com a loja.

Maçonaria e Teosofia

Um ramo clandestino que iniciou homens e mulheres foi a Co-Maçonaria. Seus primeiros sinais apareceram no século 18 em algumas lojas francesas. No entanto, foi apropriado por ocultistas ingleses vinculados à Sociedade Teosófica. Como a força inspiradora do que chamamos hoje de movimento da Nova Era, a teosofia tentou reunir o misticismo ocidental e oriental e formar uma doutrina ocultista universal.

A teosofia foi caracterizada pela iluminação espiritual, com alguns membros buscando objetivos políticos. Por exemplo, a inglesa Annie Besant transformou a Co-Maçonaria em uma extensão da teosofia. Ela era uma socialista radical que mais tarde se interessou pelo comunismo e pelo nacionalismo indiano.

Política e Maçonaria

A loja baniu oficialmente a política, mas evitar a política não era praticamente possível. As lojas maçônicas proporcionavam um ambiente perfeito para conspiração política. Um bom exemplo é a Maçonaria francesa, que criou e inspirou muitas lojas continentais. Originalmente estabelecido por mercadores britânicos em Dunquerque em 1721, tinha raízes inglesas.

No entanto, os maçons franceses fundaram uma nova Grande Loja, o Grand Orient de France, em 1773. Inspirada por idéias radicais do Iluminismo, a loja nutriu idéias revolucionárias. Embora tivesse a Maçonaria Inglesa como raízes, influenciou lojas na Itália, Alemanha, Turquia e Rússia com relação a essas visões radicais. Não surpreendentemente, um dos lemas da Revolução Francesa foi Liberdade, Igualdade e Fraternidade: que foi originalmente um lema do Grande Oriente.

As opiniões mais radicais pertenciam a uma loja parisiense chamada 'Nove Irmãs'. Foi fundado em 1776, mesmo ano em que os Illuminati da Baviera foram formados e a Revolução Americana começou. Os iniciados mais célebres desta loja incluem Benjamin Franklin, o revolucionário americano, e seu amigo Voltaire, que foi um filósofo anti-religioso. Muitas pessoas que tiveram um papel decisivo na Revolução Francesa foram as iniciadas das 'Nove Irmãs'.

Religião e Maçonaria

Muitas pessoas acreditavam que a Maçonaria promoveu idéias perigosas. Eles tinham razão, embora, é claro, exagerassem. O oponente mais significativo dos maçons foi o papado. O primeiro decreto contra a Maçonaria foi emitido pelo Papa Clemente XII em 1738. Ele proibiu a Maçonaria porque criava dúvidas nas mentes dos homens justos. Segundo o Papa, sua obsessão com o segredo era um sinal de sua natureza e ações malignas.

Em uma tentativa de montar propaganda antimaçônica, a Igreja Católica criou um embuste chamado Taxil Hoax na década de 1890. Um jornalista ex-maçom chamado Joseph Jogand-Pages combinou a Maçonaria e o Satanismo para tirar vantagem da ansiedade do público. Ele escreveu livros sensacionais sob os nomes de Leo Taxil e Dr. Bataille. Em seus livros, como Os Mistérios da Maçonaria e o Diabo , ele descreveu a Maçonaria dirigida por um culto satânico, o Palladian em Charleston, South Carolina. O chefe do culto era o maçom americano Albert Pike, e a alta sacerdotisa maçônica era Diana Vaughan. Ela era descendente de Thomas Vaughan, o alquimista britânico do século 17, e Rosacruz. Em 1897, ele declarou que toda a história era uma farsa, mas ainda há pessoas que acreditam que a história era verdadeira.

Isso ocorre principalmente porque a Maçonaria não é uma coisa, mas muitas. Então, quando as pessoas não conseguem encontrar uma explicação para algo, elas tentam fabricar coisas e acreditar nelas

Fonte: https://www.thegreatcoursesdaily.com






terça-feira, 5 de janeiro de 2021

O GADU E A MENTALIDADE MAÇÔNICA

Por Giancarlo Guerreri 

Tradução: Luiz Sérgio Castro

Retomando o texto original das Constituições de Anderson, que apareceu em 1723: O primeiro artigo das chamadas "Antigas Obrigações" a respeito de Deus e da Religião afirmava: "um Maçom é obrigado, por sua condição, a obedecer à lei moral e, se compreender a Arte corretamente, nunca será um ateu estúpido, nem um libertino irreligioso".

Acredito que colocar o adjetivo "estúpido" antes do substantivo "ateu" pode nos levar a deduzir que, para Anderson, o ateu era em si mesmo estúpido; a coisa teria sido diferente se ele tivesse colocado o adjetivo depois do substantivo: neste caso, poderíamos ter pensado que ele se dirigia apenas aos ateus estúpidos, excluindo os inteligentes. Além dessas frágeis considerações, entretanto, devo observar que o GADU desempenha um papel muito importante tanto nos rituais quanto no simbolismo do Templo. Trabalhamos para a Sua glória, abrimos e encerramos as Obras em Seu nome, sem considerar os brindes e invocações expressas durante a maior parte das Cerimônias iniciáticas.