O EXEMPLO DE JÓ

Por João Anatalino


Assim diz o Sábio: - Agradece ao Criador,
Os dias de abundância, para nos momentos
De escassez não ser ainda maior a tua dor
A multiplicar o motivo dos teus tormentos.

Não sejas, pois, como o néscio que espera
A noite para realizar as coisas que deveria
Fazer de dia. No fracasso ele se desespera
E a vitória não tem o valor que ele queria.

Feliz é todo aquele que na saúde agradece
E na riqueza valoriza a mão que a forneceu.
É a esses que a deusa Sorte nunca esquece.

Por isso o Senhor nos deu o exemplo de Jó,
Que mesmo na desgraça nunca a fé perdeu
E não teve em sua vida a dor de sentir-se só.

A história de Jó é um dos livros sapienciais do Velho Testamento que mostra bem o pensamento dos antigos habitantes do Oriente Médio, homens que, de um lado colocavam todo o seu destino nas mãos de uma divindade e de outro o questionavam quando os resultados de suas ações não eram bons. Coisa que aliás não mudou muito, nem no Oriente nem no Ocidente. A história de Já é um claro desdobramento da filosofia de Zoroastro, ou Zaratustra, o sábio persa que ensinava a doutrina dualista de um universo dividido entre duas concepções: a do bem, encarnada por um deus solar, (Aura Mazda) e a do mal , encarnada pelo deus das trevas (Arimã). Todas as coisas boas são dádivas do deus bom, e todas os males provém do deus mau. Na concepção dos zoroastristas, o mundo reflete esse conflito entre o bem e o mal, e a alma humana é movida por essas duas forças. Por isso o autor do livro de Jó diz, logo no intróito, que Deus (Aura Mazda, o deus bom) permite que Satã (Arimã o deus mau) tire de Jó todos os bens que o faz feliz para que ele experimente o sofrimento, e com isso mostre se realmente, diante do mal, ele persevera na sua fé, ou também se tornaria mau.

Jó é essencialmente um livro pedagógico. Nesse sentido, os três amigos de Jó, que o criticam e admoestam por reclamar da má sorte que lhe tirou todos os bens, são a voz da sua consciência que oscila entre atribuir á divindade a razão dos seus males ou reconhecer que é a sua própria atitude perante a vida que lhe trouxe consequências tão danosas. Em princípio é isso que ocorre, pois os amigos de Jó tendem a atribuir a ele mesmo essas desgraças, isentando Deus de qualquer responsabilidade por isso. Jó, entretanto, não pode aceitar essa tese, porquanto acredita que o destino do homem está nas mãos de Deus e só Ele o pode determinar.

Essa dicotomia é própria do modo de pensar oriental. De um lado temos a crença muçulmana do Mack Tub, segundo a qual tudo que acontece no mundo está escrito e obedece á uma vontade manifesta de Deus, cabendo aos homens apenas aceitar todos os acontecimentos como manifestação da sua Vontade. De outro lado, há a tese desenvolvida pelos judeus, principalmente os cultores da Cabala, segundo a qual Deus tem sim, um plano para a construção do universo, mas usa os homens como seus agentes construtores, concedendo a eles uma certa dose de livre arbítrio, ou seja, dando a eles a capacidade de escolher entre certas ações construtivas ou destrutivas. É esta concepção que aparece nos discursos de Eliú, o jovem, que contrasta o pensamento dos três amigos mais velhos de Jó. Segundo Eliú, o qual Deus não interfere no curso dos acontecimentos nem julga os homens por seus atos nem premia ou castiga ninguém. Bem e mal são apenas conceitos humanos que servem de parâmetros para que a consciência humana distinga entre aquilo que é bom e o que ruim. O homem deve procurar o bem porque isso é o que lhe faz bem. E se lhe faz bem o homem se torna bom e agrada a Deus. O contrário também é verdadeiro. O mal torna o homem mau e desagrada a Deus. Por isso, diz Eliú, “Ele retribui a cada um segundo a sua obra e de acordo com os caminhos de cada um ele recompensa.”

 Assim, Deus “deixa” que Jó experimente o mal para que ele possa saber o valor exato do bem. Essa, aliás é a pedagogia da vida. Se todos os momentos da nossa vida fossem feitos de prazer, com que medida poderíamos valorá-lo se não conhecemos nada que seja diferente dele? Assim, a história de Jó, após ensinar que Deus está em todas as coisas, mas todas as coisas não estão nele, como diz o discurso final do próprio Deus (que parece ter sido tirado da Baghavad Guita), mostra que a dialética dos acontecimentos universais, com sua dupla face (bem e mal, exato e falso, dor e prazer, luz e trevas, etc), nada mais é que uma estratégia pedagógica da divindade para ensinar aos homens o valor da suas próprias existências. Assim é que, após ter perdido tudo, e ter mostrado a compreensão desse processo, Jó recuperou todos os seus bens e desse novo acervo, o valor era duas vezes maior.

Agradeçamos a Deus todos os resultados. Com o sucesso aprendemos a fazer bem feito; com o mal resultado aprendemos como não devemos fazer.  Essa é, pois, a grande lição da história de Jó. Deus não faz bem nem mal. Até porque bem e mal são conceitos puramente humanos. Ele simplesmente nos ensina como fazer. Se aprendemos ou não é problema nosso.

O resultado é fruto das nossas ações. Por isso está escrito: “ Eis que agora o ser humano tornou-se como um de nós, conhecendo o bem e o mal (Gênesis 3:22). Todas as possibilidades são criadas por Deus. A escolha é nossa.

Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro