MARIA MADALENA: UMA DAS MAIS VILIPENDIADAS FIGURAS DA HISTÓRIA

 Autor: Aquilino R. Leal – M.’.I.
Quadro de Domenico Feti que retrata Maria Madalena – O Globo
Esclarecimentos necessários
O alvo desta exposição é apresentar a personagem Maria Madalena com uma roupagem atual. O objetivo não é julgar nem estabelecer conceitos de religião, ainda que para compreender o assunto tenhamos que nos despir de alguns compromissos e ter a mente receptiva a novos horizontes.
Para os interessados no assunto, e esperamos que não sejam poucos, fornecemos as fontes de consulta nas quais fundamentamos este trabalho essencialmente de compilação (grifo proposital); os relatos extraídos dessas fontes foram, em algumas situações, adaptados à realidade desta publicação.
Esclarecemos que não foi livro O Código Da Vinci, de Dan Brown, o responsável pela elaboração desta publicação de transcrições/adaptações; esse romance de ideias foi, isso sim, a alavanca necessária para retornar ao tema. Há tempo que questionamos a posição da mulher não só na Igreja Católica com suas tradições, lendas e mitos, como também em algumas sociedades.
Um rabino chamado Eliézer, do primeiro século da era cristã, declaradamente preconceituoso, dizia: “Antes sejam queimadas as palavras da Torah do que confiadas a uma mulher!”. É nosso dever extirpar tais sentimentos de nosso meio.
Parte do interesse recente pela figura de Maria Madalena tem a ver com a descoberta, no Egito, de textos cristãos primitivos, como o Evangelho de Maria[2], o Diálogo do Salvadore o Evangelho de Tomé. Os demais textos provêm da descoberta, em 1945 ou 1946, de um vaso de argila selado no sopé de uma montanha perto do povoado de Nag Hammadi, no Alto Egito[3]. Esses e outros textos inéditos abriram novas perspectivas para o estudo dos primórdios do cristianismo. Tais textos mostram que o cristianismo primitivo era muito diferente do que imaginávamos e do que, infelizmente, é hoje.

Quem foi Maria Madalena?

Segundo os relatos bíblicos, Maria Madalena foi uma das “piedosas mulheres” que acompanhavam Jesus. Este a teria libertado de sete demônios e, consequentemente, da vida mundana e de pecados que levava; ela teria assistido ao martírio, à crucifixão e à deposição de Cristo; também teria sido testemunha da Ressurreição do Mestre. Tradicionalmente Maria Madalena costuma ser identificada como a anônima “pecadora arrependida” de que fala Lucas, aquela que perfumou os pés de Jesus, banhou-os com suas lágrimas e enxugou-os com os próprios cabelos.

Não há dúvidas que Maria Madalena foi, e é, uma figura histórica e controvertida dentro da história do cristianismo. Ela é nominalmente mencionada no Novo Testamento mais de dez vezes e é citada por todos os quatro evangelistas; Maria Madalena desempenha um papel extremamente importante, junto com outras mulheres, em relação à Paixão e ressurreição de Cristo – somente o Evangelho de Lucas a cita fora daqueles últimos dias de Jesus cuja mãe, Maria, teve um papel importante na infância do Mestre, mas não no corpo dos Evangelhos – a figura de Maria recentemente foi conclamada pela ICAR.

Maria Madalena é um dos poucos seguidores de Jesus presentes à sua crucificação e que lhe presta assistência após a sua morte. É a pessoa que retorna ao seu túmulo três dias depois e a quem o Jesus ressuscitado primeiro aparece[4].

Jesus aparece primeiro à Maria Madalena a quem atribui a missão de transmitir ao mundo a mensagem cristã de vida eterna… Portanto não foi Pedro o primeiro Papa como a Igreja quer impor! Por isso ela é a apóstola dos apóstolos! A primeira a ser incumbida da suprema missão de proclamar a mensagem de Cristo! Uma mulher!

Já os chamados Evangelhos apócrifos consideram Maria Madalena como espírito da Sabedoria, personificação da gnose (conhecimento), amada de Jesus, adversária de Pedro, ministra da evangelização, discípula e apóstola de Jesus etc. A tradição judaica, considerada hostil a Jesus, também ensinou que Maria Madalena era adúltera: o Talmude chega a confundir Maria Madalena com Maria, mãe de Jesus.

Estudos mostram que, de todas as personagens bíblicas, provavelmente Maria Madalena foi aquela que mais sofreu deturpação do ponto de vista de reconstituição histórica[5]. Sua trajetória real junto a Jesus foi modificada e encoberta por inverdades divulgadas ao longo dos séculos até mesmo pela Igreja, pelos textos bíblicos e por errôneas interpretações feitas ao saber de suas respectivas épocas ou, ainda, pela incompreensão dos textos sagrados. Paralelamente às inverdades, uma outra história tem sido contada de modo sublinear pela arte ao longo de dois mil anos de história cristã e, também, pelos textos apócrifos.[6]

De acordo com esses textos apócrifos (há indícios também nos Evangelhos sinópticos), depois da morte de Jesus, os outros discípulos não desejavam ver uma mulher no comando do grupo, o que naturalmente estava acontecendo pelo enorme conhecimento espiritual de Madalena. Pedro, por diversas vezes, teria contestado e se atritado com Madalena pois temia que ela definitivamente se tornasse líder do grupo. A partir dessa luta de poder relativo à liderança do cristianismo e pelo fato de uma mulher contemplar mais conhecimentos que todos os discípulos, teria se forjado a história da prostituta, que todos nós, lamentavelmente, conhecemos por mais uma das inverdades apregoadas pela Igreja.

Maria Madalena se manteve presente, assistindo e sofrendo o tempo todo, conforme mencionado nos Evangelhos de Mateus, Marcos e Pedro, quando da crucificação de Jesus, enquanto todos os seus devotos masculinos (grifo proposital) ficaram escondidos. Os discípulos fugiram! Uma caterva de covardes!

Segundo os quatro Evangelhos[7] Maria Madalena recebeu as Boas Novas, primeiramente de um anjo e então do próprio Jesus[8], assim Maria Madalena foi, na realidade, uma das primeiras evangelizadoras.

Sob o ponto de vista histórico, sua figura representa, para a cristandade, o símbolo da penitente, da possibilidade de zerar uma vida de pecados e recomeçar tudo de novo a partir da fé, da esperança, da crença; a transformação da pedra bruta na pedra polida! Isso equivale principalmente quanto ao perdão. Tanto que, ao defendê-la, Jesus teria dito para que atirasse a primeira pedra aquele que nunca havia pecado antes. Com esse gesto simplório e profundo, conseguiu calar a todos e salvar a sua futura seguidora e quiçá mulher.

Nos chamados Evangelhos apócrifos, em especial o Evangelho de Maria e de Felipe, é encontrada uma nítida valorização da mulher; em ambos se vê que Jesus fazia revelações privilegiadas à Maria Madalena uma vez que era ela quem mais estava em sintonia com os ensinamentos do Mestre: um caminho para o conhecimento espiritual e não como revelação apocalíptica.

Em tempo, Madalena não é o sobrenome de Maria. Naquele tempo não se dava atenção ao sobrenome, eram identificadas por sua relação com o seu pai ou cidade natal, tal qual ainda ocorre nas pequenas cidades. A maioria dos estudiosos acredita que Madalena significa de Magdala, uma cidade às margens ocidentais do lago (mar) de Galileia, entre Cafarnaum, a aproximadamente 10 km, e Nazaré, distante uns 30 km, e próxima a Canaã, porém relativamente distante de Jericó.

PUBLICIDADE

As Marias

Há muitas Marias mencionadas nos Evangelhos e uma porção de outras mulheres importantes, mesmo não sendo citadas nominalmente. No Evangelho de Felipe são nominalmente citadas as três que sempre acompanhavam o Senhor: “sua mãe, sua irmã e sua companheira eram todas Marias. E a companheira[9] do Salvador é Maria Madalena”.

Há duas histórias diferentes de mulheres ungindo os pés de Jesus e secando-os com seus cabelos.[10]Coube ao papa Gregório I, em um sermão em 591 d.C., associar as duas.[11]

A dissociação somente ocorreu na reforma do calendário litúrgico em 1969 quando, então, foi considerado o dia 22 de julho como o dia de Maria Madalena para recordar as três mulheres de cada uma dessas três histórias: Maria Madalena, Maria Betânia e a pecadora de Lucas (não identificada nominalmente).

Ainda que o rótulo de prostituta aplicado por Gregório a Maria Madalena tenha sido oficialmente rejeitado pela Igreja Católica em 1969, assim admitindo o seu erro, a imagem de Maria Madalena como meretriz penitente tem permanecido em todas as Igrejas cristãs.

A Igreja romana, seguindo São Gregório Magno, além de identificá-la como “pecadora”, também a chama de Maria de Betânia, irmã de Lázaro, e celebra as três Marias com uma única festa. A Igreja grega, ao contrário, seguindo Orígenes, distingue as três figuras, celebrando festas diferentes; essa posição não foi também adotada pelas Igrejas Ortodoxa e Protestante quando romperam com o catolicismo.

Maria Madalena homenageada

A personagem Maria Madalena foi tratada do decorrer da história cristã como mito de pecadora redimida. De prostituta virou santa para morar no imaginário coletivo como mulher forte e exemplo de vida cristã.

Mesmo os conservadores estão hoje dispostos a atribuir a Maria Madalena um papel histórico significativamente mais importante do que lhe é conferido pela visão tradicional da Igreja.

Maria Madalena foi proclamada, em 1050, padroeira de uma abadia de monjas beneditinas: a ideia seria a de mostrar que ela se arrependeu e se tornou eremita. Na França ela é tida como padroeira dos perfumistas e cabeleireiros. Ela também é padroeira das prostitutas. Na liturgia devocional da idade média são encontradas laudas completas dedicadas a ela. A personagem inspirou muitos pintores, os quais a retratam como mulher pecadora, bela e formosa, solitária, que unge Jesus, que anuncia o ressuscitado e discípula que acompanhou Jesus em sua agonia.

Tanto Oxford quanto Cambridge, as mais tradicionais universidades da Inglaterra, têm faculdades batizadas em homenagem a Maria Madalena.

O Magdalen College de Oxford, fundado em 1458, foi uma das primeiras faculdades a ensinar Ciências. Em Cambridge, o Buckingham College, fundado em 1428, teve seu nome alterado em 1542 para Magdalen College.

O casamento de Maria Madalena

Uma imensa corrente de pesquisadores admite que Jesus e Maria Madalena foram casados e deste casamento teria nascido uma filha, que seria a descendência real, o sangue real, o Santo Graal, e que Maria Madalena com sua filha chamada Sara[12] foram viver no sul da França. Esse seria o grande segredo, a versão da história guardada há milênios, ou melhor, história que se julgava devidamente sucumbida a partir do Concílio de Nicéia, ocorrido no ano de 327 d.C., mas que voltou com o livro “O Código Da Vinci”.

No ano de 1891, durante a reforma de uma igreja em Rennes-le-Château, sul da França, o padre Bérenger Saunière, segundo se soube, teria encontrado um “tesouro” trazido da Terra Santa e guardado pelos Cavaleiros Templários. Esse tesouro comprovaria a existência de descendentes diretos de Jesus, ou seja, da linhagem sagrada.[13]

Jesus na condição de um homem judeu adulto, certamente pela tradição cultural da época, teria se casado: pelos costumes judaicos, o celibato era proibido e obrigação de um pai judeu era encontrar uma esposa adequada para seus filhos – Pedro, inclusive, era casado.

No Evangelho de Felipe se lê: “E a companheira do Salvador é Maria Madalena. Cristo amava-a mais do que todos os discípulos e costumava beijá-la com frequência na boca. O resto dos discípulos ofendia-se com isso e expressava sua desaprovação. Diziam a ele: Por que tu a amas mais do que a nós todos?”

Se Jesus foi realmente casado com Madalena, certamente houve um propósito, certamente uma aliança dinástica, o que na época era bastante comum, para garantir o sangue real.[14]Porém um Jesus casado comprometeria séculos de preconceito contra a intimidade sexual. O sacerdócio, lembremos, não era vedado às mulheres nos primeiros dias da Igreja e o celibato dos padres só se tornou uma regra seis séculos depois de Cristo (para não vilipendiar, devido ao casamento, a riqueza adquirida pela Igreja?).

Será o casamento em Canaã, mencionado no Novo Testamento, uma narrativa metafórica do casamento de Maria Madalena e Jesus Cristo? Teria sido ela uma “prostituta” como nas antigas culturas em que os homens praticavam o ato sexual com as “prostitutas do Templo” em busca de experiências arrebatadoras, divinas, místicas e religiosas como a prática do hiero gamos[15] (“casamento sagrado”)?

Em todas as versões do casamento sagrado, a representante da deusa, na forma de sua sacerdotisa, se unia sexualmente com o rei escolhido ante de sua morte sacrifical. Três dias depois o deus ressuscitava e terra voltava a ser fértil[16]

PUBLICIDADE

Conclusão

Maria Madalena era de fato uma prostituta como a identifica a tradição cristã? Se não era por que foi durante tanto tempo assim retratada pela Igreja e por que o Vaticano mudou de ideia na década de 1960?

Maria Madalena, muito mais do que está dito na Bíblia, foi, verdadeiramente, uma discípula de Jesus, e, segundo diversos historiadores, o discípulo mais próximo do Mestre, de seus ensinamentos espirituais.[17]

Esses ensinamentos estavam inteiramente ligados à espiritualidade interior, sendo o verdadeiro caminho para a evolução espiritual, como vemos no trecho do Evangelho, segundo Maria Madalena, em que Jesus disse: “Todas as espécies, todas as formações, todas as criaturas estão unidas. Elas dependem umas das outras, e se separarão novamente em sua própria origem. Pois a essência da matéria somente se separará de novo em sua própria essência. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça”.

Segundo Tomé, Evangelho também considerado apócrifo, o reino de nós está dentro de nós e também em nosso exterior: “Quando conseguirdes conhecer a vós mesmos sereis conhecidos e compreendereis que sois os filhos do Pai vivo. Mas se não vos conhecerdes, vivereis na pobreza e sereis a pobreza”.

Observo que unidos estamos todos nós, formando a essência da vida e com Deus dentro de cada um, por isso o caminho é mergulhar em nosso interior, achar a direção de nossa evolução, encontrar Deus que habita em nós.

Lembremo-nos que o Mestre não deixou normas, somente pediu que levemos em conta o que ele “mostrou” na sua prática de amor incondicional: “A Paz esteja convosco. Recebei minha paz. Tomai cuidado para que ninguém vos afaste do caminho, dizendo ‘Por aqui’ ou ‘Por lá’, pois o Filho do Homem está dentro de vós. Segui-o. Quem o procurar, o encontrará. Prossegui agora, então, pregai o Evangelho do Reino. Não estabeleçais outras regras além das que vos mostrei e não as instituais como legislador, senão serei cercados por elas”.

O reino de Deus está dentro de cada pessoa e necessário se manter em equilíbrio para não atrair doenças e a morte física; visão esta plenamente aceita pela medicina alternativa em todas as correntes.

Deixemos claro que as nossas convicções tendem para o panteísmo: a força divina que está presente no mundo e permeia tudo o que nele existe, sendo nosso objetivo, como mortais, nos unir com o divino, sem a necessidade e muito menos a obrigatoriedade de “intermediários”.

Parafraseando o pensador Montesquieu: “Às autoridades eclesiásticas o meu respeito. Advirto-as, porém, que minhas ideias não foram feitas para curvar-se perante elas e, muito menos, meus joelhos”.

Bertrand Russell, em seu livro Porque não cristão afirma: “A questão da verdade de uma religião é uma coisa, mas a questão de sua utilidade é outra, diferente. Estou tão firmemente persuadido de que as religiões são nocivas, como o estou de que são falsas… É evidente, como questão de lógica, que, já que elas diferem entre si, apenas uma delas pode ser verdadeira…”.

“Triste não é mudar de ideia. Triste é não ter ideia para mudar.” (Autor desconhecido)

“Depois disso, Jesus andava pelas cidades e aldeias anunciando a boa nova do Reino de Deus. Os Doze estavam com ele, como também algumas mulheres que tinham sido livradas de espíritos malignos e curadas de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual tinham saído sete demônios; Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes; Susana e muitas outras que o assistiram com as suas posses.” (Lucas 8,1-3)

“Por ventura não clama a Sabedoria e a inteligência não eleva a sua voz? No cume das montanhas posta-se ela, e nas encruzilhadas dos caminhos. Alça sua voz na entrada das torres, junto às portas, nas proximidades da cidade. É a vós, ó homens, que eu apelo; minha voz se dirige aos filhos dos homens. Ó simples, aprendei a prudência, adquiri a inteligência, ó insensatos”. (Provérbios 8,1-5)

“Você não poderá resolver os problemas que tem hoje pensando da mesma maneira que você pensava quando os provocou” (Albert Einstein)

Autor: Aquilino R. Leal – M.’.I.’.

Loja Stanislas de Guaita, 165 – REAA – GLMERJ

(*) Nota do Blog:
O irmão Aquilino é colaborador do semanário FOLHA MAÇÔNICA, do mensário espanhol RETALES DE MASONERÍA, e produtor do programa MÚSICA E MEMÓRIA, UMA VIAGEM AO PASSADO, apresentado todas as quartas-feiras das 17 às 18 horas na Rádio Naphtali (http://www.naphtaliwebradio.com). É também colaborador do blog O Ponto Dentro do Círculo, com seus artigos sendo publicados toda sexta-feira.



NOTAS

[1] Trabalho de nossa autoria apresentado em julho de 2005 na Loja à qual estávamos filiados no Rio de Janeiro, meses antes de nossa mudança para Lima Duarte – Minas Gerais. Trabalho ligeiramente alterado e complementado para a sua publicação no blog O PONTO NO CÍRCULO.

[2] O Evangelho está em papiros do século V d.C. que chegaram ao mercado de antiguidades do Cairo em 1896 sendo publicados em 1955.

[3] Conhecidos como os Códices de Nag Hammadi, esses papiros do século IV d.C. contêm farta literatura cristã antiga: quarenta e seis obras no total, quase todas até então desconhecidas.

[4] Nesse momento Ele a instrui (credencia) a difundir a notícia de sua ressurreição e a se tornar, de fato, a figura mais importante entre os apóstolos, a portadora da mensagem cristã a eles e ao mundo.

[5] Não podemos ignorar condições semelhantes em Judas.

[6] Os textos apócrifos ou gnósticos, escritos no final do século II, foram encontrados na região de Nag Hammadi, no Egito, durante o ano de 1946, porém nunca foram reconhecidos pela igreja primitiva nem pela atual – são considerados como literatura herética, distanciada da Igreja.

[7] Mateus, Marcos, Lucas e João.

[8] Marcos 16:1-8; João 20:16-18; Lucas 24:1-10; Mateus 28:1-10: “No findar do sábado, ao entrar o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria, foram ver o sepulcro…”.

[9] A palavra grega koinono, usada para descrever Maria Madalena, embora seja muitas vezes interpretada com o significado de companheira, se traduz mais corretamente como “cônjuge” ou “consorte”, uma mulher com quem um homem já teve incurso sexual.

[10] Lucas 7:38,44 (38: “E, estando por detrás, aos seus pés, chorando, começou a regar-lhe os pés com lágrimas, e enxugava-lhos com os cabelos da sua cabeça; e beijava-lhe os pés, e ungia-lhos com o unguento. 44E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: Vês tu esta mulher? Entrei em tua casa, e não me deste água para os pés; mas esta regou-me os pés com lágrimas, e mos enxugou com os seus cabelos.”), João 11:2 (“E Maria era aquela que tinha ungido o Senhor com unguento, e lhe tinha enxugado os pés com os seus cabelos, cujo irmão Lázaro estava enfermo.), e João 12,3 (“Então Maria, tomando um arrátel de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus, e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do unguento.”).

[11] A qualificação de Maria como prostituta provém da Homilia 33 do papa Gregório I na qual ele declara: “Aquela que Lucas chama de mulher pecadora e que João chama de Maria acreditamos ser a Maria de quem, segundo Marcos, Jesus expulsou sete demônios. E o que esses sete demônios significavam senão todos os vícios? … É evidente, meus irmãos, que essa mulher usava o bálsamo para perfumar sua carne em atos proibidos”.

[12] Sara significa rainha ou princesa em hebraico.

[13] Segundo historiadores o fato foi levado ao papado sendo o padre contemplado com uma grande fortuna, mas antes de sua morte repentina, para não dizer suspeita, ele repassou o “tesouro” para sua secretária que também teve uma morte suspeita, com ela também “morreu” o segredo.

[14] Acredita-se que Jesus descendia de Davi e Salomão enquanto Maria Madalena seria uma descendente da estirpe Benjamim. Seremos nós os filhos dessa viúva?

[15] Rito pagão sumamente sagrado no qual uma mulher ungia a cabeça e os pés – e também os genitais ‑ do homem escolhido. Era a unção do rei sagrado. A unção consistia um ato preparatório à penetração durante o ritual, em que o sacerdote-rei era banhado pelo poder de deus ao mesmo tempo em que a sacerdotisa-rainha era possuída pela grande deusa.

[16] O tema da ressurreição é encontrado nos sistemas de crenças egípcio, sumério e cristão: Ísis e Osíris, Istar e Tamuz, Maria Madalena e Cristo.

[17] A etimologia de Magdala deriva de uma antiga palavra para “torre” que podemos associar a “coluna”: ela era a coluna do rebanho. Será que era a Coluna da Sabedoria?

Fontes consultadas
Baigent, Michael; Leigh, Richard; Lincoln, Henry. O Santo Graal e a linhagem sagrada. Rio de janeiro: Nova Fronteira, 1993.
Brown, Dan. O código Da Vinci. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.
Burstein, Dan. Os segredos do código. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.
de Almeida, João Ferreira (tradução). A Bíblia Sagrada. Sociedade Bíblica do Brasil.
Hellern, Victor; Notaker, Henry; Gaarder, Jostein. O livro das religiões. São Paulo: Schwarcz, 2002.
Renan, Ernest. Vida de Jesus. São Paulo: Martin Claret, 2004.
Revista Época. Jesus e Madalena. Rio de Janeiro: Globo, edição no 344, 20 dezembro 2004.
Revista Super Interessante – Aventuras na história. A verdadeira história da condenação de Jesus. São Paulo: Abril, edição no 8, abril 2004.
Revista Super Interessante. O código Da Vinci. São Paulo: Abril, edição no 205, outubro 2004.
Revista Super Interessante. Santo Graal. São Paulo: Abril, edição no 210, fevereiro 2005. 
Revista Super Interessante. São Pedro: o primeiro papa. São Paulo: Abril, edição no 205, outubro 2004.
Revista Super Interessante. Toda a verdade sobre as cruzadas. São Paulo: Abril, edição no205, outubro 2004.
Revista Veja. A morte de Jesus. São Paulo: Abril, abril 1995.
Ricci, Sophia. Priorado de Sião e as sociedades secretas: Coleção entendendo o Código Da Vinci. São Paulo: Escala.
Ricci, Sophia. Realidade e ficção no código Da Vinci: Coleção entendendo o Código Da Vinci. São Paulo: Escala.
Russel, Bertrand. Porque não sou cristão. São Paulo: Livraria Exposição do Pensamento, 1972.

Starbird, Margaret. Maria Madalena e o Santo Graal: a mulher do vaso de alabastro. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.
Welborn, Amy. Decodificando Da Vinci. São Paulo: Editora Pensamento‑Cultrix, 2004.





Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro