A MAÇONARIA EM PAÍSES ISLÂMICOS

Uma sinopse histórica de cada país no mundo islâmico árabe, que se segue, fornece uma base útil para o assunto. Eles estão detalhados por ordem alfabética.
Cada país islâmico tem uma história de relacionamento com a maçonaria, o irmão Kent Henderson, de Victoria, na Austrália, faz uma sinopse interessante sobre esses países e publicou um livro com estudo extenso (Henderson, K. W. & Pope A. R. F. Freemasonry Universal – A New Guide to the Masonic World. Volume Two. Global Masonic Publications, Melbourne. 2000), que é a fonte de referencia principal deste artigo. A seguir vamos citar esses países e incluiremos Israel, embora Israel não seja muçulmano, esse país possui comunidade islâmica e representa importante centro de influência na história maçônica.


ARÁBIA SAUDITA
Alguém poderia suspeitar que a Arábia Saudita, sendo uma Monarquia Islâmica muito tradicional, seria desprovida de lojas maçônicas. Na verdade, esse era o caso até 1962, quando a Grande Loja Americano Canadense (no âmbito das Nações Grandes Lojas da Alemanha) erigiu a Loja Arabian Nº 882. Isso foi seguido por quatro outras. Todas essas lojas foram formadas para atender os estrangeiros no país, principalmente maçons norte-americanos e britânicos na Arábia Saudita, como resultado do comércio de petróleo. No entanto, após sucessivas repressões pela polícia saudita, nenhuma destas lojas estão efetivamente operando, exceto os grupos fraternais com encontros casuais. [I]

ARGÉLIA
A Argélia, ex-colônia francesa, recebeu a maçonaria em 1831 com a criação da loja militar francesa “Cirrus” seguida pela loja “Bélisaire” e pela loja “Ismaël “ em 1833. Todas as três foram erguidas no âmbito do Grande Oriente de França. Um passo importante para a aceitação de não-europeus na Argélia colonial foi atingida com o início, em 1864, de Emir Abd-el-Kader, que havia liderado a guerra contra a conquista francesa de 1832 a 1847. No entanto, esse avanço foi de curta duração e alguns muçulmanos, posteriormente, se juntaram a Maçonaria na Argélia, evidentemente, porque eles geralmente não podiam compartilhar as opiniões anti-religiosas dos maçons do Grande Oriente de França.

Em 1939, pouco antes da Segunda Guerra Mundial, a Argélia possuía onze lojas sob a Grande Loja da França e vinte e um lojas no âmbito do Grande Oriente da França, além de um par de lojas sob Le Droit Humain e uma loja de Memphis-Misraïm. Depois de 1945, a Maçonaria não recuperou sua antiga importância e com a independência da Argélia em 1963, ela desapareceu por completo, após a repatriação da maioria dos cidadãos franceses de volta para a França. Hoje a Maçonaria é proibida na Argélia. [I]

BAHRAIN
Este Estado árabe, rico em petróleo, no Golfo Pérsico, até recentemente possuía várias lojas. Sua primeira loja foi a St. Andrew de Bahrain, erguida em 1949, sob a Grande Loja da Escócia. Reuniu-se pela primeira vez em um aeródromo, em seguida, em um salão da igreja, antes de construir o seu próprio templo no deserto. O então Emir do Bahrein deu o prédio da loja em locação por 99 anos. Em 1954, a St George Bahrain Nº 7389 foi fundada sob a Constituição Inglesa. Ambas as lojas em grande parte eram formadas por trabalhadores petroleiros britânicos. Claramente, a este tempo o governo de Bahrain não era decididamente anti-maçônico. No entanto, na década de 1970 tornou-se assim, e ambas as lojas encerraram suas atividades no país. Não se conhece a razão deste acontecimento. A loja escocesa foi posteriormente fechada, enquanto a loja St George Bahrain mudou-se para Ashford, Inglaterra, onde continua até hoje. [I]

IÊMEN
Iêmen, localizado na base da Península Arábica, consistiu de dois países separados, Iêmen do Norte e Iêmen do Sul, até que foram politicamente unidos em 1990. Iêmen do Sul era anteriormente conhecido simplesmente como “Aden”, ou, mais corretamente, o protetorado britânico de Arábia do Sul. Aden teve a honra de receber a primeira loja no Oriente Médio. A Grande Loja da Escócia reconheceu em 1850 a Loja Felix Nº 335. A Loja Centenário Nº 1449, foi erguida sob a mesma autoridade em 1900. Inglaterra entrou em cena com a Loja Luz na Arábia Nº 3870, em 1918. Esta loja agora trabalha em Croydon, Inglaterra. Após a Segunda Guerra Mundial, uma terceira loja escocesa foi criada em Aden, Loja Pioneer Nº 1305. A Independência do Iêmen do Sul trouxe um governo totalitário, o que fez as condições para a Maçonaria insustentável. Iêmen do Norte parece nunca ter tido uma loja. [I]

INDONÉSIA
Maçonaria não existe mais na Indonésia, proibida pelo governo indonésio em 1965. Inglaterra havia estabelecido uma loja em Sumatra tão cedo quanto 1765, mas mais tarde fechou. Na década de 1950, o Grande Oriente da Holanda teve quatro lojas em Sumatra e dezenove em Java. Em abril de 1955, quatro lojas em Jacarta se uniram para formar uma Grande Loja (chamada Timur Agung Indonésia). O Presidente Soekarno a dissolveu em 1965. Uma loja holandesa, De Ster in het Oosten Nº 14 (Star of the East), que data de 1759, mudou-se de volta para a Holanda, onde ela ainda atende em Bilthoven. Há relatos ocasionais relativos a uma Grande Loja trabalhando na Indonésia, que não é reconhecida fora da Indonésia por qualquer outra Grande Loja. Sabe-se que ainda tem pelo menos uma loja na Indonésia, a Loja Hermes, em Bandung, embora possa haver outras, estas são da Maçonaria mista, que não foi proibida, uma vez que sua composição inclui as mulheres e, portanto, “não poderia estar envolvida em atividade política”. [I]

IRÃ (PÉRSIA)
A Ordem no Irã constitui a maior catástrofe Maçônica desde a Segunda Guerra Mundial. A descoberta de petróleo na Pérsia trouxe muitos trabalhadores britânicos e comerciantes, uma percentagem dos quais eram maçons. A Escócia foi a mais ativa na emissão de carta constitutiva, começando com a Loja Luz no Irã Nº 1191, em Shiraz, em 1919, que mais tarde se mudou para Teerã. Três outras lojas escocesas foram fundadas antes da Segunda Guerra Mundial. A Inglaterra contribuiu com a Loja St George Abadan Nº 6058, em Abadan, em 1945. Os Franceses (GLNF) e os alemães também ergueram lojas no país após a Guerra. Posteriormente, o crescimento da Maçonaria no Irã levou a movimentos para formar uma Grande Loja, e isso foi conseguido com o patrocínio escocês em 1969. Em 1978, a Grande Loja do Irã tinha 43 lojas e 1.035 membros. Esse foi o último ano de sua existência no Irã. O Governo Revolucionário islâmico assumiu o controle do Irã nesse ano, após o que os Guardas da Revolução Islâmica imediatamente invadiram todos os Templos Maçônicos e confiscou a propriedade de todas as lojas. Eles teriam encontrado uma lista de 700 membros na residência do Grão-Mestre, Jaafar Sherif Emami, que anteriormente era primeiro-ministro do Xá. A Revolução Islâmica no Irã varreu a Maçonaria rapidamente, e parece que um número de maçons sofreu execução em suas mãos. Se estas mortes foram ocasionadas por motivos políticos ou anti-maçônicos provavelmente nunca será conhecido, e o destino de muitos maçons iranianos podem igualmente permanecerem um mistério.

Muitos maçons iranianos, porém, fugiram para os EUA, onde eles formaram a Grande Loja do Irã no exílio. Um número razoável de Grandes Lojas Americanas, individualmente, concedeu o reconhecimento fraterno à Grande Loja do Irã no exílio, que mantém um escritório na Califórnia. [I]

IRAQUE
A primeira loja maçônica do Iraque foi a Loja Mesopotâmia Nº 3820 CE, foi criada em 1917. A primeira loja em Bagdá foi a Loja Bagdá Nº 4022 CE, erguida em 1919. Na década de 1950, o Iraque possuía nove lojas sob o Distrito Inglês da Grande Loja. Uma loja escocesa, a Loja Faiha Nº 1311, foi erguida em Bagdá, em 1923. No entanto, com a independência do Iraque, e o subseqüente governo de esquerda desse país, fez a continuidade da Maçonaria impossível. Todas as lojas no país foram forçadas a fechar as suas portas em 1965 [I]. Sobre o Iraque abriremos um parêntese especial. É sobre o Embaixador brasileiro na ONU, Sérgio Vieira de Mello, que, aos 55 anos, foi morto em atentado terrorista em Bagdá, no dia 19 de agosto de 2003. Vieira de Mello era maçom da Grande Loja da Inglaterra e, especula-se, uma de suas missões no Iraque seria reintroduzir a maçonaria naquele país, onde só funcionavam lojas militares americanas.

ISRAEL
Na terra do lendário local de nascimento da Maçonaria, a Ordem floresceu, particularmente desde a Segunda Guerra Mundial. A primeira loja simbólica (Loja Royal Solomon) foi criada ao abrigo da Carta da Grande Loja do Canadá, em 1873. Foi composta principalmente de maçons norte-americanos que tinham vindo à Palestina esperando estabelecer uma colônia agrícola. Sua colônia fracassou e assim fez a loja. No entanto, alguns de seus membros, em seguida, se uniram ao Rito Misraim, então ativo no Egito, e estabeleceram a Loja Porto do Templo de Salomão, em Jaffa. Pouco depois esta loja recebeu um grande contingente de engenheiros franceses que tinham vindo construir a estrada de ferro Jaffa-Jerusalém. Em 1906, a loja mudou sua filiação para o Grande Oriente de França e tornou-se a Loja Barkai. Hoje, encontra-se em Tel Aviv como Barkai Nº 17, dentro da Grande Loja de Israel. A Loja Barkai admitiu muitos cidadãos proeminentes turcos, árabes e cidadãos judeus de Jaffa, e mais tarde de Tel Aviv.

Posteriormente, várias lojas foram estabelecidas na Terra Santa pela então amplamente reconhecida Grande Loja Nacional do Egito, que por sua vez formaram-se na Grande Loja Nacional da Palestina em 1933. Nos anos entre 1930 e 1940, a Grande Loja Unida da Inglaterra garantiu três lojas na área, e a Escócia reconheceu onze no mesmo período. Além disso, os maçons alemães, que fugiram da tirania nazista, estabeleceram cinco lojas alemãs na década de 1930.

Em 1948, o mandato britânico sobre a Palestina terminou e todas as lojas inglesas se retiraram da Terra Santa. Um desejo geral para a unidade administrativa e fraterna entre lojas em que estava agora o Estado de Israel foi sentido no momento. Em 1953, a Grande Loja Maçônica do Estado de Israel foi fundada, em grande parte sob o patrocínio escocês. Foram trinta lojas fundadoras constituídas de todas aquelas escocesas em Israel, sob a Grande Loja Nacional da Palestina, e as cinco lojas alemãs. Raramente se vê tal unanimidade na formação de um novo grande corpo, como foi em Israel, e desde então tem se expandido de forma constante.

O selo da Grande Loja de Israel é de particular interesse. Ele é único em design e inclui o quadrado e o compasso, junto com os emblemas das três grandes religiões que seus membros praticam: a estrela de David dos judeus, a lua Crescente dos muçulmanos, e a Cruz dos cristãos.

Depois de 1948 cerca de 200.000 árabes permaneceram nos territórios palestinos que se tornaram Israel, compreendendo 20% da população total. Das trinta lojas que formaram a Grande Loja Maçônica do Estado de Israel, dez trabalharam na área de Tel Aviv / Jaffa, cinco em Jerusalém, quatro em Haifa e um loja em Tibério. Árabe, hebraico e Inglês foram as línguas de trabalho para a maioria das lojas. A maioria que trabalhou em árabe, posteriormente, mudou sua linguagem para Hebraico. Curiosamente, em 1981, o irmão Jamil Shalhoub, de Nazaré, foi o primeiro árabe que foi eleito como Grão-Mestre. Ele foi reeleito em 1982.

Atualmente, quatro lojas trabalham em árabe em Israel, como segue: Loja Akko Nº 36 e Loja Haddar Nº 45 Loja em Acre; Loja Tocha Nº 65 em Jerusalém; e Loja Nazaré Nº 71, em Nazaré. [I.]

JORDÂNIA E CISJORDÂNIA
Não há lojas que permaneceram trabalhando nos territórios palestinos de Gaza e Cisjordânia após 1967. Após os Acordos de Oslo, de 1996, alguns membros da loja Árabe “Orient” de Jericó tentaram reanimar lojas para trabalhar em Jerusalém, Jericó e Nablus, mas eles foram malsucedidos.

A Jordânia, ex-protetorado britânico da Trans-Jordânia, é uma monarquia independente. Parece que a Jordânia, com base em suas fronteiras atuais, nunca possuiu muitas lojas. A primeira loja em Trans-Jordânia foi a Loja Quraish fundada por um maçom egípcio, em 1923. A loja posteriormente mudou sua filiação e nome para Loja Al-Naser (‘Victory’). Em 1956, uniu-se com mais quatro lojas que estavam trabalhando na Palestina antes de 1948, relativa à Cisjordânia da Jordânia, para formar a loja Beit Al-Maqdes (Jerusalém).

Em 1956, a Grande Loja da Jordânia foi auto-constituída, com todas as suas lojas na Cisjordânia. A origem destas lojas é obscura. Estas lojas (agora na área politicamente sob a Autoridade Nacional Palestina), cessaram a operação após a anexação da Cisjordânia por Israel, em 1967. Ao que parece as lojas palestinas foram subseqüentemente revividas, mas deixaram de funcionar em 1994 em virtude da oposição política. Em 1995, se tenta reviver as lojas da Cisjordânia, mas o resultado é desconhecido, embora as evidências sugiram, pelo menos, que algumas estão operando.

O único ramo remanescente é a Loja Jordan Nº 1339 SC, filiada à Grande Loja da Escócia, originalmente iniciou as atividades em 1925, em Jaffa (Tel-Aviv), mas mudou-se para Amã em 1952, onde tem trabalhado desde então.

KUWAIT
Outro pequeno Estado árabe na fronteira com o Golfo Pérsico, rico em petróleo, o Kuwait tinha, até recentemente, duas lojas inglesas. Estas eram Loja Kuwait Nº 6810, e a Loja Rowland Chadwick Nº 7472. A primeira foi erguida em 1949, a última em 1956. A forte oposição por parte do Governo do Kuwait fez com que ambas adormecessem, e, infelizmente, nem re-apareceram no rol de lojas Inglesas, em 1982. Os membros de várias jurisdições da Prince Hall iniciaram um clube de estudos Maçônicos, em 1999, com reuniões todos os sábados em uma base militar dos Estados Unidos, com maçons de todo Prince Hall e jurisdições tradicionais bem-vindos a participar. No entanto, como o pessoal fazo clube enfrenta dificuldades para suas reuniões. [I]

LÍBANO
O Líbano tem uma história maçônica incomparável. Foi a Grande Loja da Escócia e, surpreendentemente, a Grande Loja de Nova York, que têm sido responsáveis pela maioria das lojas regulares localizados neste país. A primeira loja escocesa foi formada em Beirute, em 1862, trabalhando em francês. Depois de vários períodos adormecidas, deixaram de funcionar em 1895. Quatro outras lojas escocesas foram erguidas no Líbano até o momento da Primeira Guerra Mundial. O Grande Oriente de França formou uma loja em 1869, trabalhando em árabe. Duas outras lojas foram formadas, mas nenhuma sobreviveu à Primeira Guerra Mundial.

Outras novas lojas formadas antes da Grande Guerra foram uma loja em Beirute sob a Grande Loja Otomana (mais tarde a Grande Loja da Turquia), e um Triângulo sob a Grande Loja Nacional do Egito, erguido sobre 1914. Uma série de outras lojas com reconhecimento egípcio foram fundadas depois, e após a Primeira Guerra Mundial estas formaram um Distrito Grande Loja. Até o final da Segunda Guerra Mundial, ao que parece essas lojas foram extintas, fundidas, ou agrupadas em vários organismos espúrios “maçônicos”. Uma exceção parece ser a “Grande Loja do Líbano”’, que foi fundada em 1936, provavelmente descendendo de lojas egípcias, que ainda existe hoje, e com relativo sucesso.

Há poucos anos, cinco lojas escocesas tinham sobrevivido no Líbano. As três lojas em Beirute se reuniram na apropriadamente chamada Loja Peace Building, em Beshara Street, Beirute. Com a chegada da guerra civil libanesa em 1975, as lojas escocesas encerraram suas atividades e todas as cinco se tornaram inativas. O edifício da Loja Peace foi seriamente danificado na guerra, e ainda não foi restaurado.

A primeira loja reconhecida New York foi a Sírio-americana Loja Nº 1, formada em 1924, por imigrantes americanos voltando ao Libano. Várias outras lojas foram erguidas antes da Segunda Guerra Mundial, e posteriormente. Com a exceção de uma loja originalmente construída na Síria, todas eram de reconhecimento da Grande Loja de New York em seu distrito Síria-Líbano (dez no total). Durante a Guerra Civil Libanesa, a maioria das lojas tornou-se dormente, embora as Sírio-americano continuassem atividades intermitentes. Desde a cessação da guerra civil, apenas três das cinco lojas escocesas reiniciaram os trabalhos. Todas as lojas de Nova York reviveram após a guerra civil, embora algumas ainda estivessem enfrentando dificuldades para reuniões. Atualmente, seis das lojas de Nova York estão trabalhando. Outra potência surgiu no Líbano, a Fraternità Italo-Libanse, erguida em Jounieh, em 1989, sob o Grande Oriente da Itália. No entanto, é relatado como não funcionando atualmente.

Uma grande variedade de outras lojas e Grandes Lojas opera no Líbano. O Grande Oriente de França tem duas lojas em Beirute. Ao longo dos anos um grande número de falsas e/ou auto-constituída Grandes Lojas foram erguidas no Líbano. Além da Grande Loja do Líbano, já mencionada, outras incluem a Grande Loja Libanês, a Grande Loja Federal do Líbano, a Grande Loja Unida para o Líbano, a Grande Loja dos Estados Libanês, e cerca de vinte outros chamados corpos maçônicos. Muitas lojas são comerciais vendendo graus e nada contribuindo para melhorar o perfil público da Maçonaria no Líbano, ou o mundo árabe. [I]

MALÁSIA

A Malásia é um país do Sudeste Asiático, composto pelas ex-colônias britânicas de Malaya (hoje Malásia Oriental), e Norte Bornéu (Sarawak e Sabah, Malásia Ocidental agora). A Maçonaria nesta área é controlada pelo Distrito Grandes Lojas sob a Inglaterra e a Escócia. A primeira loja no país então conhecido como Malaya foi estabelecida em Penang em 1809. Esta foi uma loja Inglesa reconhecida pelos Antients, mas posteriormente fechada. Foi em 1875 que a Malásia recebeu uma loja que sobreviveu, a loja Inglesa, Royal Prince of Wales Nº 1555, que ainda trabalha em Penang. A Escócia fundou, em 1906, a mais antiga loja em funcionamento, trabalha em Penang, a Loja Scotia Nº 1003. Atualmente, vinte e nove lojas regulares trabalham no país. Nas últimas décadas, o Governo da Malásia tem tido interesse especial na ordem, a Lei do Governo exige que as lojas maçônicas divulguem regularmente seus membros e alguns outros detalhes para o Registro de Sociedades. No entanto, esta lei não parece ter sido dirigida contra a Maçonaria em particular, embora o assunto tenha sido debatido no Parlamento da Malásia. No entanto, as relações satisfatórias entre autoridades Maçônicas e do Governo foram mantidas, e não parece haver nenhuma razão para suspeitar que essa relação não seja continuada no futuro. É interessante notar que a Malásia tem uma minoria étnica chinesa substancial, e que a adesão à maçonaria é em grande parte a partir dessa comunidade, em vez de malaios que são na sua maioria muçulmanos [I].

MARROCOS

Esta ex-colônia francesa e espanhola tem uma história maçônica interessante. De 1860 em diante foram criados um pequeno número de lojas ‘de tipo colonial’, principalmente em Tânger, no âmbito do Grande Oriente de França, a Grande Loja da França, o Grande Oriente de Espanha, a Grande Loja de Espanha e até mesmo a Grande Loja Lusitana de Portugal.

Em 1902, a Loja Coronation Nº 934 foi estabelecida por um regimento escocês, e em 1927 a Inglaterra reconheceu a Loja New Friendship Nº 4997. Estas duas lojas britânicas começaram suas atividades em Tânger, mas ambas logo se mudaram para Gibraltar. A Loja New Friendship mais tarde mudou seu nome para Loja Gibraltar.

O período entre as duas guerras mundiais foi próspero no desenvolvimento da Maçonaria no Marrocos, mas também um crescente envolvimento político e anti-religioso de esquerda dos grandes corpos Francês maçônicos. Em 1925, um membro radical do Grande Oriente de França foi nomeado Residente-Geral do Marrocos Francês. Em 1936, os fascistas tomaram o poder na Espanha, e como resultado, a Maçonaria foi brutalmente reprimida no Marrocos espanhol.

Posteriormente à independência marroquina,em 1956, todas as lojas maçônicas desapareceram, como resultado de uma lei que proíbe todas as organizações estrangeiras. Depois de um período difícil em operação semi-clandestina, o Grande Loja ‘Atlas’ de Marrocos foi erguida em Casablanca, por três lojas sob a égide da Grande Loja Suíça, em 24 de julho de 1967. Ao que tudo indica a loja original em Casablanca (erguida em 1964) era “auto-constituída”, embora seus membros, em grande parte viessem de lojas tradicionais na Suíça. Embora patrocinada pela Grande Loja Suíça, essa loja era “totalmente independente da Suíça”. A razão para isso é que a Constituição da Grande Loja “Alpina” da Suíça não permite reconhecer lojas fora da Suíça.

Parece provável que a loja original “auto-constituída” se dividiu em três, a fim de formar uma Grande Loja. Tendo em conta que ‘Atlas’ foi, de fato, auto-constituída, este seria o fato para explicar por que ela nunca foi reconhecida por nenhuma outra Grande Loja.

Entre 1971 e 1974, alguns membros no âmbito da Grande Loja ‘Atlas’ se separaram, a fim de criar uma rival Grande Loja do Marrocos. Posteriormente, as autoridades do Governo marroquino suspeitaram das atividades anti-religiosas e anti-monarquistas esquerdistas assumidas por maçons do Grande Oriente da França e efetivamente forçaram o fechamento de todas as lojas. Felizmente, a mudança ocorreu a partir de 1997, com a constituição oficial de três lojas em Marrocos pela Grande Loja Nacional Francesa (GLNF). A GLNF obteve a permissão do Governo marroquino para erguer lojas porque este organismo maçônico francês, a única geralmente reconhecida por integrar Grandes Lojas, proíbe estritamente discussão política e religiosa em suas lojas. Não está claro se qualquer ‘remanescentes’ maçons da Grande Loja extinta ‘Atlas’, ou Grande Loge du Maroc, foram fundadores dessas novas três lojas.

As três lojas GLNF foram consagradas em 30 de Junho de 1997. Estas são Loja el Andalouss Nº 1081, que funciona em Casablanca em francês e Inglês; Loja Ahl al Kitab Nº 1082, que funciona em Rabat, em árabe; e Loja al Hikmat Nº 1083, que funciona em Marrakech, em árabe e francês. Estas três lojas foram constituídas pela GLNF na Grande Loja do Reino de Marrocos (Grande Loge du Royaume du Maroc) em 15 de Junho de 2000, em Marraquexe. [I]

SÍRIA

O Conselheiro Britânico para o Império Otomano, Sir Alexander Drummond, abriu uma loja em Aleppo (agora na Síria moderna) em 03 de fevereiro de 1748, mas parece ter sido de curta duração. Foi alegado que Drummond foi nomeado Grão-Mestre do Distrito (CE) para o Oriente em 1747. Há quem também afirme que um príncipe sírio, que foi iniciado no Egito, introduziu a Maçonaria para a Síria na década de 1860, mas a evidência parece escassa. Os Grande Orientes da Itália e da França estabeleceram lojas em Damasco, na Síria (então parte do Império Turco Otomano) na década de 1860, mas os detalhes de ambos são escassos. A loja francesa, Le Liban Loge, em particular, parece ter-se envolvido em atividades políticas. As lojas italianas e francesas parecem ter fechado na virada do século, embora haja também sugestões que lojas egípcias e turcas estavam trabalhando em Damasco neste tempo.

Há evidências de uma loja formada em Damasco sob a Grande Loja Nacional do Egito no final de 1936. Este loja parece ter se dividido em três, após o que, em seguida, as três formaram a Grande Loja da Síria, sob o patrocínio do Egito, embora possa ter sido apenas um Distrito da Grande Loja do Egito, a documentação disponível é ambígua. De qualquer maneira, estas lojas nativas parecem ter permanecido ativas, embora desconhecidas fora do país, até que o ofício foi proibido na Síria por decreto, em 09 de agosto de 1965.

A Escócia reconheceu a Loja Luz em Damasco Nº 1058, em 1909; e a Grande Loja de Nova York a Loja Ibrahim el Khalil Nº 4, formada em 1924, no mesmo local, no âmbito do seu distrito da Síria-Líbano. Na sequência da Segunda Guerra Mundial e da Independência da Síria, como acontece com as lojas não reconhecidas, estas também foram fechadas em 1965. Não houve alteração nessa situação na década de 1990. [I]

TUNÍSIA

Maçonaria veio à Tunísia no século 19, com um número de lojas sendo instaladas pelo Grande Oriente de França. Em 1879, oito lojas francesas formaram o Grande Oriente da Tunísia, ao abrigo de um mandado do Grande Oriente da Itália. Lojas ainda estavam trabalhando na Tunísia após a Segunda Guerra Mundial, mas elas não sobreviveram a independência da Tunísia em 1956 e o anúncio posterior do Islã como a religião do Estado.

No entanto, em 1998, uma loja foi formada na Tunísia sob o recentemente formado Grande Loja da União (Gran Loggia dell’ Unione). Esta é Loggia Italia Nº 16. Ela se reúne trimestralmente, no Hotel Oriental, Tunis. A situação jurídica deste loja é clara. [I]

EMIRADOS ÁRABES UNIDOS

Este país do Golfo Pérsico é composto de vários pequenos Emirados Árabes, que costumavam ser chamados coletivamente de Trucial Omã. A Inglaterra ergueu sua primeira e única loja, em Sharjah, em 1967. Esta foi a Loja Trucial Nº 8160, e era formada em grande parte por Maçons britânicos que estavam trabalhando em petróleo. No entanto, esta loja tinha se tornado dormente no início da década de 1980, e mais tarde foi encerrada. [I]

TURQUIA

A Turquia não é um país árabe, mas tem a maioria esmagadoramente muçulmana. A diferença é que, ao contrário dos países árabes, o Islã não é a religião do Estado, graças ao fundador da Turquia moderna, Kemal Ataturk, que construiu um estado estritamente secular.

Em 1748 o Sultão Mahmud usou o pretexto do Papa Clemente XII, ‘In Eminenti’ (abril 1738), para proibir a Maçonaria por édito real, mas o edital nunca foi posto em vigor. Até o final do século 18 muitas lojas estavam operando e elas floresceram após a Revolução Francesa e durante o reinado de Napoleão. Em Junho de 1826, a fim de reformar o exército, o Sultão Mahmud II aboliu a ordem militar corrupta dos janízaros em um banho de sangue. Os janízaros eram em sua maioria membros da seita Bektachi, que também foi abolida. A Maçonaria foi fechada com o pretexto de que era uma espécie de “Bektachism” e muitos maçons foram enviados para o exílio. Com o tempo o clima político mudou e a Maçonaria foi re-introduzida durante a Guerra da Criméia, em 1856. Naquele ano, um loja Inglesa, Oriental Nº 988, foi formada em Constantinopla (mais tarde Istambul), com Lord Bulwer, o Embaixador Britânico, como Mestre na Fundação. Após uma irregular Grande Loja criada por um oficial irlandês (capitão Atkinson) durante a Guerra da Criméia, a Grande Loja Unida da Inglaterra decidiu criar o seu próprio Distrito Grande Loja na área, com Bulwer como Grão-Mestre do Distrito. O Distrito Grande Loja foi consagrado no dia 24 de junho de 1862 na Embaixada Britânica. Dez lojas inglesas foram estabelecidas na Turquia entre 1860 e 1870. Irlanda, Escócia e várias outras Grandes Lojas/Grandes Orientes na Turquia durante esse período. A Itália tinha quatorze lojas, Alemanha cinco, três França, Polônia duas, Espanha duas, Grécia duas, Hungria e um Egito uma. [II]

A expansão da maçonaria foi lenta, com vários Sultoes Otomanos emitindo decretos que suprimiam a Maçonaria. No entanto, durante o reinado do Sultão Abdulhamid II (1876-1909), a posição mudou. Abdulhamid favoreceu a Maçonaria, e até doou dinheiro para suas esferas e instituições de caridade. Por outro lado, ele considerou maçons que trabalhavam sob lojas do Grande Oriente da França e da Itália por serem politicamente suspeitos. Seus temores eram justificados pois os membros dessas lojas favoreceram a derrubada de Abdulhamid e o estabelecimento de uma monarquia constitucional. Esta “Maçonaria politicamente ativa” alcançou seu objetivo através do partido político “Unidade e Progresso”, que organizou as suas atividades políticas e subversivas em lojas maçônicas sob as jurisdições de italianos, franceses e espanhóis. Em 1908, uma monarquia constitucional foi declarada e uma comissão de deputados depostos por Abdulhamid, os quais eram maçons.

Um Supremo Conselho Turco tinha sido fundado em Istambul, em 1861 pelo príncipe Abdulhalim Pasha, irmão do Khedive do Egito (que também era Grão-Mestre do Distrito para o Egito, CE). Este Supremo Conselho tornou-se dormente na década de 1880, mas foi revivido em 03 de março de 1909 e imediatamente formaram a Grande Loja Maçônica do Império Otomano (13 de julho 1909). O novo Grande Oriente atraiu a lealdade da maioria das lojas sob jurisdições estrangeiras não-britânicas, modelou a sua constituição no Grande Oriente de França. Ele inicialmente consistia em catorze lojas abrigando franceses, italianos ou espanhóis. A Grande Loja do Império Otomano (mais tarde re-nomeado Grande Oriente de Turquia) desfrutou de um período de expansão sustentada, erigindo 65 lojas antes de 1935. No entanto, o clima político na Turquia foi se deteriorando, e o Grande Oriente tornou-se dormente em 1935. [I]

O Supremo Conselho turco foi reativado em 1948, e lojas maçônicas turcas foram controladas por ele até que alienou o controle para a Grande Loja da Turquia, fundada em 1956 e formada por 29 lojas. A Grande Loja da Escócia consagrou a nova Grande Loja, em Abril de 1965, e as lojas turcas no momento adotam em sua maioria o ritual maçônico da Grande Loja da Escócia, embora ainda exibindo uma herança Continental, particularmente francesa. A Grande Loja também adotou, em grande parte, as regras e regulamentos da Grande Loja da Escócia. A Grande Loja da Turquia foi reconhecida pela Inglaterra e Irlanda em 1970, e hoje goza de relações fraternas com a maioria das principais Grandes Lojas em todo o mundo.

No total, a natureza secular do corpo político turco, combinada com a sua adoção de regularidade, a Maçonaria, apesar antecedentes duvidosos, criou uma instituição maçônica mais bem sucedida. [I.]

Como podemos perceber, nos países islâmicos, a maçonaria sofre restrições de origem religiosa e política. Nos parece que o Grau 3 da maçonaria motiva o fervor de islamitas mais que qualquer outro grau, principalmente no que se refere ao cerimonial de exaltação. Sobre esse assunto escrevi o texto “A Maçonaria e o Islamismo”, onde, também, comentei a maçonaria no Egito, que aqui não abordei. É sabido, pelos maçons, que as crenças do islamismo sobre o que é a maçonaria não correspondem ao que realmente ela é, e as informações que o Islã possui são deturpadas com fins políticos e religiosos pelo temor que a maçonaria gera em seus dirigentes. Alguns países, onde o Islamismo é mais tolerante, a maçonaria tem progredido e esses verão, em futuro próximo, os benefícios de uma boa maçonaria sendo praticada e trazendo benefícios ao país.

Honório Sampaio Menezes,33º do REEA, Loja Baden-Powell 185, GLMERGS, Brasil.

Fontes de informação:

I- Henderson, K. W. & Pope A. R. F. Freemasonry Universal – A New Guide to the Masonic World. Volume Two. Global Masonic Publications, Melbourne. 2000


II- Layiktez, Celil. The History of Freemasonry in Turkey. Volume One – “The Beginning, 1721 – 1956”. Grand Lodge of Turkey, 1999.
Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro