"PÁSCOAS"...

Por Ir.’. Nuno Raimundo
Depois de findo este tempo de “passagem” pela Páscoa, não importando tanto qual, se a Pessach, a Páscoa Cristã ou inclusive a “Páscoa” pagã, o que me importa reter é a reflexão de nos pode ser proporcionada pela vivência desta dita quadra festiva.
Tanto judeus como cristãos e pagãos celebraram por estes dias, algo que nas suas praxis religiosas convida à partilha.

 Nos povos judaicos e cristãos é hábito as famílias se juntarem à mesa e repartir o pão – a “comida”- numa ceia que para cada um destes povos tem um significado especial.

Os judeus partilhando o pão ázimo é lhes relembrado não só o tempo de exílio pelo deserto do Sinai após a sua “fuga” do Egito, mas principalmente e também,  a passagem do anjo que “condenou” os primogênitos egípcios, após a “maldição divina”.

Por sua vez, os povos que baseiam a sua religião no Cristianismo, habitualmente na quinta-feira de Endoenças (mais vulgarmente conhecida por quinta-feira santa), também costumam partilhar uma refeição que tem origem na Eucarístia Crística, quando Jesus, o Cristo, partilhou a sua última refeição com os seus apóstolos.

- Até mesmo na Maçonaria em determinado grau, nesta mesma data, é usual existir uma refeição eucarística baseada nesta mesma “refeição” e também na ceia mitraica, o que torna esta refeição em algo de especial e muito diferente do usual ágape fraternal que se costuma efetuar após as reuniões maçônicas-.

Já da celebração feita pelos povos ditos pagãos encontramos nos dias de hoje algumas reminiscências de outras épocas em que se celebrava a Ostara. Festividade esta, em que para além de se celebrar o Equinócio da Primavera, se festejava também a fertilidade e o "renascimento" da natureza. E desses cultos pagãos, encontramos não a partilha  de pão, mas sim de ovos.

Hoje em dia é costume em quase todos os “países ocidentalizados” serem ofertados ovos, mas principalmente serem oferecidos ovos de chocolate, estes últimos mais ao gosto das crianças.

-No nosso país, é também habitual  nesta altura do ano se oferecer o conhecido " folar pascal", uma espécie de bolo que contém no seu interior ovos cozidos-.

No fundo e de forma transversal a estas religiões, encontramos nesta quadra uma ideia generalizada de partilha, da dádiva de algo.

O que poderia se supor que existisse apenas na celebração do Natal cristão ou nas festividades do Dia dos Reis (festas de tradição cristã), tornando essa quadra festiva um pouco mais comercial do que deveria o ser, viemos encontrar um paralelismo interessante entre estas religiões no que toca à partilha de alguma coisa nesta época em que vivemos.

Neste caso em concreto e  que no fundo motivou a escrita deste texto, existe a partilha de algo substancial ao ser humano, algo que é a base da sua vida, a Alimentação.

Queiramos nós todos também nas nossas vidas, nas nossas práticas, sejam elas religiosas ou de cariz mais profano, partilhar também algo de  importante ou que seja considerado como tal, com quem mais o necessite, tendo sempre em mente que a vida não é apenas "vida" em determinadas épocas ou quadras festivas, mas que o é durante o decorrer de todo o ano. Não esperemos nós pelas "Páscoas" da nossa vida para fazer e partilhar o Bem...

Esta foi a reflexão que esta Páscoa me deixou e que muito abertamente partilhei com todos Vocês…


Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro