O nó de Górdio

Por   José Maurício Guimarães
PREMISSAS:
"A Maçonaria não impõe nenhum limite à livre investigação da verdade".
"A Maçonaria tem por fim combater a ignorância em todas as suas formas; combater os hipócritas que enganam a humanidade; os pérfidos, que a defraudam e os ambiciosos que a usurpam."
Apesar de a Maçonaria moderna ter se estruturado na Inglaterra (1717), ela já existia atuante no século anterior e de maneira germinal em tempos remotos. Na Inglaterra, a Maçonaria alcançou o estágio mais sofisticado de "negócio de Estado" e desde então permanece condescendente com o sistema monárquico de governo.
Foi na França, com a assistência dos adversários comuns da Coroa Britânica – os escoceses – que as bases da República foram moldadas e tomadas para si, pelo Rito Escocês Antigo e Aceito, a partir de 1786 no decorrer da história. Menos de setenta anos separam a Maçonaria como negócio de Estado monárquico da Maçonaria revolucionária e republicana (Revolução Francesa, 1789-1799), cujos principais líderes e redatores da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão foram maçons. Leia mais
Não pretendo dizer que a Revolução Francesa foi exclusivamente "obra da Maçonaria", mesmo porque toda obra maçônica só é válida quando abraçada primeiro pelos seus membros e Lojas; depois pelo povo.
A progressiva saída de cena da Maçonaria aconteceu com o surgimento, por um lado, das organizações sindicais durante o século XIX – no Reino Unido, em 1871, e na França, em 1884 – e por outro, com o desenvolvimento das modernas universidades, laicas e de caráter estatal, introduzindo-se assim uma relação nova entre os governos, os trabalhadores e o conhecimento.
No final do século XIX os "segredos" da organização do trabalho (atuação operativa) e os "mistérios" da pesquisa científica (atuação especulativa) passaram das mãos dos maçons para os sindicatos e as universidades – não por descuido da Maçonaria, mas por vontade própria da legítima organização maçônica que almeja, em primeiríssimo lugar, o processo civilizatório condenando qualquer forma de absolutismo.
Não obstante essa realidade histórica, a Maçonaria do século seguinte (1901-2000) insistiu em preservar os feudos que haviam sido derrubados há mais de um século e meio. O desgaste advindo dessa peleja é melhor observado em países de cultura jovem como o Brasil, pois nos Estados Unidos a Maçonaria vinha se fortalecendo, nos últimos séculos,  mediante projetos sólidos, abrangentes em termos da república e do interesse social.
Entre nós, os prolongados queixumes entremeados de gemidos e gritos de grande pesar face ao desgosto de que – dizem eles – "a Maçonaria não está fazendo nada", reflete a consequência de um absolutismo que insiste num modelo feudal, cuja natureza intrínseca e oculta é monárquica.
Este é o "nó górdio" que ainda não conseguimos desatar (Górdio, segundo a lenda, foi um camponês da Frigia coroado rei quando, cumprindo a previsão dos oráculos, chegou à cidade numa humilde carroça que ele amarrou a uma coluna com um nó impossível de desatar. Enquanto a carroça ali estivesse, só ele poderia governar fazer as leis e julgar.)
Assim permanecem os novos carroceiros que amarram seus coches nas colunas do templo da sabedoria, com um nó desafiante à inteligência e ao poder de seus súditos. Chega-se ao poder pelo voto democrático, mas governa-se pelo sistema discricionário – esta é a regra das novas sociedades onde a educação, o conhecimento e o poder não são compartilhados de forma igualitária.
Alexandre, o Grande, ouviu a história do nó górdio e, intrigado com a questão, foi até o templo e, após muito analisar, desembainhou sua espada e cortou o nó com um único golpe.
Onde estarão os Alexandres hoje?
Parafraseando Fiedrich Hegel, ouso apreciar o que acontece com quaisquer outros fatos do passado, refiram-se eles aos costumes, às leis, etc. – fatos pertencentes à história que a miopia desses maçons insiste, à custa de cultuar a estupidez, em classificá-los sem nenhuma relação com a vida presente. E por melhor que os verdadeiros maçonólogos reconheçam esses fatos e personalidades em todos os seus pormenores, o desafio que devemos enfrentar não tem se tornado cultura nossa. A indigência cultural impede que um direito nosso − o conhecimento do poder e a participação no poder do conhecimento − produza os efeitos da glória que já não existe. O que é histórico, disse Hegel, só é nosso quando pertence à nação a que também pertencemos ou quando podemos considerar o presente em geral como uma consequência de tais ou tais acontecimentos passados, em especial daqueles cujos caracteres e atos neles representados se prendem como os anéis de uma cadeia. Não basta o laço que existe entre o povo e a terra em que ele vive; é preciso que haja uma íntima ligação entre o passado do nosso povo e o nosso estado atual, a nossa vida e modo de existência de hoje.

Mas que essa ligação entre o passado e o nosso estado atual não se imobilize pela carroça de Górdio estacionada na entrada do templo.
Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro