50 anos do golpe: o dia em que Jango apostou tudo e perdeu

Por Juliana Castro - Fonte: O Globo
Jango foi ao comício ao lado da primeira-dama Arquivo / O Globo
Há exatamente 50 anos, milhares de pessoas se espremiam na Central do Brasil, no Rio, para ouvir as palavras do então presidente João Goulart, à época envolvido com a tentativa de implementar as reformas de base que vinham sendo bloqueadas pelo Congresso. Não à toa, o evento convocado para mobilizar as massas em apoio ao presidente e suas iniciativas entrou para a História como o Comício das Reformas ou Comício da Central.
O ato foi marcado para acontecer três dias antes da abertura do ano legislativo no Congresso, ocasião em que Jango mandaria uma mensagem aos parlamentares. O edital de convocação para o comício deixava claro seus objetivos: demonstrar a disposição do governo em implementar as reformas agrária, bancária, administrativa, universitária e eleitoral. Há divergências sobre quantos atenderam à convocação, e a estimativa de público variou de 100 mil a 300 mil pessoas. Leia mais

Autor do livro “João Goulart, uma biografia” e professor de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), Jorge Ferreira lembra que, com a legislatura que se iniciou em 1963, Jango tinha uma base que equivalia a 57% das 409 cadeiras da Câmara. Eram parlamentares do partido do presidente, o PTB, e do PSD. Quando o projeto de emenda constitucional a fim de que houvesse reforma agrária foi para o Congresso, em maio de 1963, os dois partidos não se entenderam. O PTB não queria que os proprietários de terra fossem indenizados. Já o PSD julgava que deveria haver alguma indenização. Sem o entendimento na base, a reforma foi rejeitada.
Jango, então, tentou pressionar o Congresso com a ajuda do povo. Foi programada uma série de comícios. O primeiro deles, o da Central, foi o único a acontecer. O último, agendado para o Dia do Trabalho em São Paulo, assim como os outros, ficou no papel.
— Quando ele faz o Comício da Central do Brasil, está sinalizando que vai governar com as esquerdas, e, para as direitas, isso é inadmissível. Aí, elas partem para o golpe — explica Ferreira.
Durante o processo de organização do comício, o governador do estado da Guanabara, Carlos Lacerda, e outros tantos setores da sociedade se mobilizavam contra sua realização. Na madrugada do dia do evento, houve uma tentativa de incendiar o palanque. Ao todo, 2.500 homens da Polícia do Exército foram escalados para fazer a segurança do comício.
Em cima do palanque, estavam figuras como o deputado Leonel Brizola e os governadores Miguel Arraes (Pernambuco), João Seixas Dória (Sergipe) e Badger da Silveira (Estado do Rio). O presidente chegou ao comício às 19h44m, depois de ter assinado, no Palácio Guanabara, dois decretos: o que dava início às expropriações fundiárias e o que permitia a encampação de refinarias. Ao lado da primeira-dama Maria Teresa Goulart, Jango iniciou seu discurso às 20h daquele histórico 13 de março de 1964. Dias depois, ele seria deposto pelos militares.
— Quem foi ao comício jamais poderia imaginar que dentro de 20 dias iria ter um retrocesso. O evento foi muito bem organizado, com muita participação — afirmou o jornalista Pedro Porfírio, de 70 anos.
Em sua fala, o presidente defendeu as reformas agrária e eleitoral, além da revisão da Constituição de 1946. Vez ou outra, o chefe do Gabinete Civil da Presidência, professor Darcy Ribeiro, soprava algo no ouvido de Jango, e o presidente passava a falar sobre outro tema ainda não abordado no discurso. Jango anunciou que regulamentaria o preço extorsivo de apartamentos e residências desocupados. No dia seguinte, o presidente assinou o decreto estipulando o tabelamento do preço de aluguéis e imóveis em todo o país.
— Ele estava altamente apoiado. Ali, naquele comício, era o povo de verdade — afirmou Fernando de Santa Rosa, de 80 anos, que foi ao evento a serviço, como capitão-tenente da Marinha, quando era assessor do superintendente da Companhia Nacional de Navegação Costeira. — Foi uma pena aquilo não ter vingado porque houve uma interferência exógena — completou o ex-militar, cassado das Forças Armadas pelo AI-1 e preso por duas vezes, em 1964 e 1965.
Os setores mais conservadores reagiram com indignação às palavras e aos gestos do presidente. Poucos dias depois, em 26 de março, centenas de marinheiros liderados pelo marinheiro José Anselmo dos Santos, o Cabo Anselmo, recolheram-se ao Sindicato dos Metalúrgicos, no Rio, em protesto contra restrições impostas à categoria. As autoridades civis recusaram-se a punir os sublevados, atitude que desnutriu ainda mais o governo Goulart. Em 31 de março de 1964, os militares tomaram o poder.



Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro