Maçonaria Adonhiramita

ALGUNS ESCLARECIMENTOS SOBRE O RITO E OUTROS COMENTÁRIO

Por Hercule Spoladore
A Maçonaria Adorinhamita nasceu na França durante a segunda metade do século XVIII. Foi praticada lá e em suas colônias bem como em Portugal e suas respectivas colônias. Foi o primeiro rito a entrar no Brasil trazido pelo Grande Oriente Lusitano. Ele atualmente estava sendo praticado só no Brasil, aonde vem apresentando um desenvolvimento muito acentuado, com a criação de inúmeras novas lojas, quer no GOB, quer na COMAB e agora também na Grande Loja de São Paulo (GLESP).
Todavia, há alguns anos ele foi reintroduzido em Portugal, graças aos esforços do então Grão-Mestre do GOB-Pará, Irmão Waldemar Coelho que é um dos grandes incentivadores para que o Rito cresça em todo o mundo o qual enaltece também os esforços dos maçons adonhiramitas do Pará e o Rio de Janeiro que muito trabalharam para que o Rito voltasse a Portugal. O então Grão-Mestre da Grande Loja Maçônica Regular de Portugal, o Irmão Mario Martin Guia decretou finalmente a criação da primeira Loja Adorinhamita no pais, pelo menos nesta nova fase do Rito, e que levou o nome de Loja Regular “José Estevão”. Evidentemente a primeira Loja do Rito Adorinhamita em Portugal foi fundada no século XVIIILeia mais

De início se torna necessário esclarecer e explicar um erro histórico sobre a fundação deste Rito.
Não foi o maçom Barão de Tschoudy (Louis Theodore) político de origem suíça nascido em
1720 e falecido em 1769 aos quarenta e nove anos de idade quem fundou o Rito. O Rito em realidade foi fundado por Louis Guillerman Saint-Victor que escreveu um livro “Compilação Preciosa da Maçonaria Adonhiramita” (Recueil Précieux de la Maçonnerie Adorinhamite) onde ele descreveu e incluiu os quatro primeiros graus e publicou em 1781. Em 1785 ele escreveu um segundo livro descrevendo mais oito graus, perfazendo doze Era então, conhecido o Rito como a Maçonaria dos 12 graus.
O grande culpado deste imbróglio do falso fundador do Rito foi um escritor francês, maçom, de nome Jean Baptiste Marie Ragon de Bettignies (1781- 1862), mais conhecido por Ragon, que ao que parece tinha boa cultura maçônica. Escreveu vários livros sobre a Ordem, porem ao escrever não era criterioso e nada mais do que um leviano que inventava situações a seu bel prazer. E em um dos seus livros “Ortodoxia Maçônica” (Orthodoxie Maçonnique) ele afirmou que o Barão de Tschoudy era o fundador do Rito Adorinhamita e também ele “criaria” o 13º grau do Rito. Entre as suas várias balelas existe mais uma, ao afirmar que Elias Ashomole teria sido o primeiro compilador dos rituais dos graus 1, 2 e 3, quando na realidade Aschmole jamais compilou qualquer ritual. Aschmole quando foi iniciado em 08/10/1646, nesta época não tinha ainda sido organizado o catecismo (ritual) do grau 2, o qual foi criado em 1670 (manuscrito Sloan, 3 -1696), e muito menos o 3º grau criado em 1725 e incorporado na ritualística em 1738. 
Desta forma, inventando, ele atribuiu a paternidade do Rito Adonhiramita ao Barão de Tshoudy. Só que em 1871 Tschoudy havia falecido 12 anos antes. Logo, ele jamais poderia ter fundado o Rito Adorinhamita.
Após 1785 Guillerman Saint-Victor escreveu e publicou a tradução de um trabalho alemão a respeito do Grau Noachita ou Cavaleiro Prussiano, de autoria do alemão M. de Beraye e este artigo apareceu publicado no Journal de Trévoux.
Ragon e Thory se intrometeram, sem nenhuma razão especial interpretaram a publicação como sendo mais um grau, o 13º grau, embora Saint Victor houvesse publicado a tradução por mera curiosidade sem intenção de criar mais um grau. Esta tradução era um grau alemão que nada tinha a ver com os 12 graus já estabelecidos do Rito. Ragon inseriu o novo grau na parte final da segunda parte do trabalho de Saint Victor e o 13º grau acabou sendo incluído no Rito. Também, seria o 13º grau segundo alguns autores, uma homenagem a Frederico II da Prússia, maçom e que foi benfeitor da Ordem numa época em que ela se achava em progresso, mas muito perseguida.

Fica assim esclarecido este erro histórico causado por um escritor maçom até certo ponto inescrupuloso e que apesar de escrever bem e ser culto não media as consequências do que escrevia. Ele terminou desacreditado no final do século XX. Ele era ainda muito citado em trabalhos até há cerca de 30 a 40 anos atrás, por escritores maçons brasileiros e estrangeiros, que não conheciam a verdade sobre o famoso Ragon. Ainda existem irmãos atualmente no Brasil que afirmam ter sido o Barão de Tschoudy o fundador do Rito Adorinhamita bem como citam Ragon como referência bibliográfica em seus trabalhos, que costumeiramente ainda se lê nas revistas, ou livros maçônicos.

Existe um Rito da “Estrela Flamejante” (L’etoile Flamboyant) fundado em 1766, portanto três anos antes desenlace do Barão e que foi realmente fundado por ele. Era um rito composto de 15 graus. Tschoudy era um maçom ativo e honesto. Ele não tem culpa se Ragon o colocou como fundador da Maçonaria Adorinhamita. Quiseram imputar a fundação de outro rito à Tschoudy, ou seja, o Rito de Tschoudy Reformado de seis graus. Mas, igualmente quando fundaram este Rito o Tshoudy já tido partido para o Oriente Eterno já há alguns anos. Tshoudy era particularmente contra os Altos Graus. Ele também pertenceu ao Conselho dos Imperadores do Oriente e do Ocidente, que foram os criadores do Rito de Heredon de vinte e cinco graus. Aliás, este Rito foi a fonte, foi a raiz dos demais ritos que hoje conhecemos pertencentes à vertente francesa, inclusive o Rito Adorinhamita.

Com relação à história da criação do Rito Adorinhamita em si tudo começou em 1743 quando um escritor profano compositor musical escrevendo vários livros cerca de dez, sobre música, teatro, pertencente à Academia Real de Música da França de nome Louis Travenol, usando o pseudônimo de Leornard Gabanon escreveu um livro contra a Maçonaria intitulado de “Catecismo dos Francos Maçons” (Cathécisme de Francs Maçons) onde descreveu uma série de fantasias e mentiras, porem com algumas informações corretas que coincidiam com a maçonaria praticada na época, além da descrição do 3º grau completo como era praticado. E ele coloca em cena o nome de Adonhiram que até então não existia na lenda a qual apesar de ser nova, criada há poucos anos só se conhecia o personagem Hiram Abif.

Em 1742, o Abade Gabriel Luiz Calabre Perau escreveu um livro “A Ordem Maçônica Traída e seus segredos revelados” (L’Ordre des Francs Maçons Trahi et leur secrete revélé) publicado em 1745 em Genebra que era confundido com a obra de Travenol.  Ambos os livros mencionam Adonhiram, mas a obra de Perau era mais uma descrição de canções e hinos cantados durante as sessões maçônicas, enquanto que Travenol descreveu o 3º grau e sua lenda como eram conhecidos na época, mas colocando em evidência o personagem bíblico Adonhiram. A obra de Perau é aqui citada porque muitos historiadores confundiram o titulo com a obra de Travenol.  Perau se propôs apenas revelar os segredos da Maçonaria, mas não denegrir a Ordem a exemplo de muitos escritores da época faziam, aliás, como o próprio Travenol.

Em 1744 Travenol lança outro livro “Compêndio da História de Adonhiram Arquiteto do Templo de Salomão” (Abrége de L’Histoire D’Adoniram, Architecte du Temple de Salomon) onde ele disseminou de vez a confusão entre Adonhiram com Hiram Abif. A partir dai os ritualistas maçônicos dividiram as opiniões pois para alguns seriam os mesmos personagens da lenda, enquanto para outros se tratava de personagens diferentes. Interessante como os maçons davam importância para a obra de um profano. E acresça-se que era um profano escrevendo contra a Ordem.  Parece que eles próprios não tinham segurança na redação dos seus rituais e suas lendas. Aproveitavam o conteúdo dos livros escritos por profanos como fonte de referência, pelo menos naqueles conceitos e história que se podia aproveitar deixando de lado as mentiras, invenções e ficções.
Mas as obras de Travenol de qualquer forma influenciaram o inicio da Maçonaria Adonhiramita. Mas não foi o único autor a escrever livros que influenciaram a própria Maçonaria. Muitos anos antes em 1730 Samuel Prichard fez o mesmo, publicou todos os segredos da Maçonaria inglesa até aquela data. E esta obra é estudada até hoje pelos cientistas maçônicos da Loja Quatuor Coronati, nº 2076 de Londres. Por ironia trouxe muita informação correta necessária para Maçonaria de hoje.

Mas quanto Adonhiram alguns ritualistas da época mantinham uma situação dualista, mas não concordavam quanto à função de cada um dos personagens na construção do templo de Salomão. Um era hebreu, o outro era fenício.  Interessante, que tudo começou a partir de um livro escrito contra a Ordem, nascendo daí o embrião de um movimento maçônico que logo mais se tornaria a Maçonaria Adonhiramita.
Em 1747, o livro Catecismo dos Francos Maçons (Cathecisme des Francs Maçons) foi reeditado, voltando a enfatizar o personagem Adonhiram.
Ainda em 1749 Travenol publicou “Novo Catecismo dos Francos Maçons” (Nouveau Cathecisme des Francs Maçons) onde ele publica práticas ritualísticas dos Modernos, que constituem uma referência sobre o Rito Francês.

Um grupo de maçons ritualistas sustentava que Adonhiram tinha sido um subalterno, um mero arrecadador de impostos ao passo que o outro grupo achava que ele seria o verdadeiro personagem da lenda do 3º grau. Desta forma nasceu a Maçonaria Adonhiramita defendida pelo grupo de Guillerman cuja lenda seria diferente da Maçonaria Hiramita com relação ao principal protagonista da mesma, mas que no fim os atributos e finalidade dos personagens eram os mesmos. Ambas as correntes tinham a mesma meta, onde existia muita convergência na redação das lendas, levando-se em conta que se assemelham muito, pois ambas tratavam da construção do templo de Salomão e seu provável construtor.

Evocando os landmarques que afirmam a exigência da lenda do 3º grau baseada em Hiram Abif estes foram contrariados quanto a um dos personagens principais defendido pelos maçons adonhiramitas. Mas e daí? Por acaso a Maçonaria Adorinhamita também não cultua Adonhiram um personagem bíblico com as mesmas características simbólicas do Hiram Abif também bíblico? E outra pergunta considerada lógica e coerente: tanto um como o outro tinham qualificações para ser o mestre de obras, o construtor mór do templo de Salomão?  Não tinham porque o Hiram, o fenício era trabalhava com bronze, que hoje o chamaríamos de metalúrgico. Era um artífice em fundição de bronze. O que ele entendia de construção para ser a principal figura da edificação do templo?  E o outro, o hebreu o Adonhiram era administrador e coletor de impostos ou como a Bíblia afirma em outro local, um preposto às corvéias, por ocasião do Templo de Jerusalém. Para esclarecer o que é corvéia era o trabalho gratuito que no tempo do feudalismo, o camponês era obrigado a prestar serviços  ao  senhor ou ao estado. Trabalho escravo, portanto. Também não teria também qualificação para ser o mestre de obras do suntuoso e famoso templo. E a própria Bíblia causa as confusões, pois ela é repleta de contradições gritantes. Existem vários Hirans Hirão e mais de um Adonhiram, Adoniram Adoram ou nomes parecidos. Mas este detalhe não altera o arcabouço geral da lenda do 3º grau feita por maçons.  Por quê? Porque a principal função da lenda não é a de ficar-se discutindo confusos personagens bíblicos. E ainda tem que se considerar que tanto a Maçonaria Hiramita como a Adonhiramita promoveram, isto na lenda do 3º grau um personagem secundário para ser o arquiteto ou construtor ou superintendente do Templo. Isto seria impossível e improvável atualmente. Tanto Hiram Abif como Adonhiram não teriam capacitação técnica para ser o construtor do templo de Salomão. Mas lenda é lenda e daí? Lenda é lenda, é fácil fabricar uma. A lenda de Hiram ou Adonhiram não fugiu a regra.

Ainda levando-se em conta o que é uma lenda que segundo os dicionários é “uma narração escrita ou oral de caráter maravilhoso, relatando fatos históricos antigos na qual estes são deformados pela imaginação popular ou pela imaginação poética” (Aurélio). Logo, uma lenda pode ser alterada, antes de tomar o a redação final, pois ela contem fatos verdadeiros e fatos irreais e não tem compromisso com a realidade e nem com a verdade, mas sim com a mensagem e o recado simbólico que ela transmite o exemplo que ela estabelece e impõe a um grupo ou à sociedade. Ela vale pela mensagem que passa aos adeptos.
Já o mito tem diversas explicações, mas uma delas seria complementando o conceito de lenda que seria uma imagem simplificada de pessoa ou de um acontecimento, não raro ilusório elaborado ou aceito pelos grupos humanos e que representa papel significativo de comportamento. Seria o produto final, o herói da lenda. Todo povo, nação, grupo de homens, religiões, ou a própria Maçonaria precisam de um mito para sobreviver.

O esplendor da lenda Hiramita ou Adonhiramita não está na defesa deste ou daquele personagem, já que no caso ambos os personagens foram emprestados da Bíblia, mas sim na influência e identidade da lenda com o mito solar. Poucos autores mencionam este fato. Parece que o mantem oculto. A lenda do 3º grau é totalmente influenciada pelos cultos solares da antiguidade, tendo o seu similar mais aproximado na lenda egípcia de Osíris. Mas destacam-se ainda na lenda do 3º grau as influências das manifestações religiosas e místicas dos povos antigos como os sumerianos, dos persas, dos gregos. Especialmente do mitraismo, que era uma religião pagã, que adorava o sol e que foi tornada ilegal e o cristianismo oficial pelo Imperador Teodósio em 391.d.C numa ocasião em que ela disputava com o cristianismo quase que em igualdade de condições, qual religião prevaleceria. O cristianismo copiou muito coisa do mitraismo, dando outros nomes.

A influência do mito solar vem também inserida nos rituais de todos os ritos, quando se faz os diálogos entre o Venerável e os Vigilantes. Na abertura e fechamento ritualísticos das sessões eles descrevem o nascimento, morte e renascimento do sol diuturnamente. É uma referência. É a descrição do trajeto descrito pelo sol, símbolo principal dos antigos e de todas as religiões naturais antigas. Por isso diz-se que a Luz vem do Oriente. O Venerável lembra ou representa o sol dos antigos. Ainda vem a afirmação importante nesta lenda do conceito do nascer, morrer e renascer, um dos principais ensinamentos do 3º grau. Não se quer atribuir aos rituais maçônicos e nem à própria Maçonaria que ela seja um produto do mito solar. Mas sofreu sua influência assim como foi influenciada por tantas outras culturas e religiões naturais antigas e principalmente da Bíblia. A lenda do 3º grau sofreu todas estas influências e foi adaptada para a Maçonaria. Foi uma lenda bem manipulada, construída para nortear a Ordem em sua caminhada através dos tempos e que provou estar correta, pois hoje quer a Maçonaria Adorinhamita, ou a Maçonaria Hiramita tem o seu herói-símbolo, ou seja, o seu mito, fazendo parte de uma mesma lenda, ou seja, a lenda do 3º grau.


“Os autores do ritual do 3º grau, ainda desconhecidos apelaram para todos os recursos de sua imaginação e de uma erudição tão vasta quanto incoerente, produziram um monstro enigmático, cujas pesquisas, as mais conscienciosas não puderam descobrir sua verdadeira origem - Le Foriestier -

  
Hercule Spoladore – Loja de Pesquisas Maçônicas Brasil – Londrina – Pr.                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                            


REFRÊNCIAS

CASTELLANI, José                 Liturgia e Ritualística do Grau de Mestre Maçom
                                                       Em todos os Ritos
                  Editora  "A Gazeta Maçônica"
                                                     São Paulo, 1987                      

                                                                                             
CARVALHO, Assis                    Ritos e Rituais – volumes 1,2,3.
                                                        Editora “A Trolha”
                                                        Londrina, 1993




PERAU, Gabriel Louis Calabre -    A Ordem Maçônica Traída e seus Segredos
Revelados
Tradução de Ataualpha José Garcia
Editora “A Trolha”
Londrina, 2001

Original: “L’ordre des Francs Maçons Trahi, et leur Secret revélé”
             A L’Orient,
              Chez G. de L’lEtoile, entre L’esquerre & le Compass, vis-à vis du Soleil couchant, 1745”




O RITO ADONHIRAMITA – HISTÓRIA - Publicação feita pelo Sublime Capitulo Adonhiramita do Brasil – Florianópolis  - Santa Catarina

Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro