TEMER OU NÃO TEMER? EIS A QUESTÃO

Por Kennyo Ismail
Um ensaio sobre o medo na iniciação maçônica


A Maçonaria foi e ainda pode ser dividida dualmente de várias diferentes formas: Antigos e Modernos, Graus Simbólicos e Graus Superiores, Regular e Irregular, etc. Mas outra dualidade muito clara que se tem na Maçonaria e ainda é pouco observada, dualidade essa presente em sua estrutura filosófica, está relacionada ao medo. Existe muito claramente na Maçonaria Ritos cuja Iniciação é baseada no medo e aqueles que não o são.
O que define um maçom? O que difere um maçom de um não-maçom? A Iniciação. Sendo a Maçonaria uma Escola Iniciática, é a cerimônia de Iniciação que promove a transformação do indivíduo, de um não-maçom para um maçom. Mesmo aqueles que se afastam da Maçonaria, voluntaria ou involuntariamente, continuam sendo maçons. Podem ser chamados de maçons adormecidos (saída voluntária) ou maçons excluídos (saída involuntária), mas não deixam de ser maçons. Isso porque se considera que a Iniciação é um ritual de renascimento, de passagem, que modifica moral e espiritualmente o ser humano, não podendo jamais ser desfeito. Não há, portanto, como “desiniciar” um maçom, voltando-o ao homem que era antes de ser iniciado.

A iniciação pode ser compreendida pelo mito da caverna de Platão. Após enxergar o mundo fora da caverna, não há como voltar ao estado anterior daquela crença nas sombras e ruídos. Não há volta. Assim como na alegoria, a iniciação age sobre a dualidade entre a ignorância e o conhecimento. O ignorante, ao tomar conhecimento, deixa de ser ignorante naquilo. Mesmo que ele não utilize do conhecimento adquirido, ele agora conhece e, portanto, não está mais submerso na ignorância. Assim como não há retorno à caverna para o liberto, não há retorno à escuridão da ignorância para o maçom. E com base nessa compreensão ontológica, entende-se que existe o maçom e o não maçom, não havendo possibilidade de existência  de ex-maçom, meio-maçom ou semi-maçom.

Entretanto, a Iniciação na Maçonaria, apesar de possuir um núcleo comum presente em todos os ritos, é composta de diversos elementos que a diferem de um rito maçônico para outro, elementos esses ligados à proposta, história, culturas e valores de cada rito. E nos ritos que possuem o medo como um de seus princípios iniciáticos, muitos desses elementos próprios refletem isso: os momentos pré-iniciação promovidos tradicionalmente pelas Lojas; a câmara das reflexões, suas frases, objetos e escuridão; os testes físicos durante a iniciação, com seus riscos simbólicos; etc.

Essas iniciações “amedrontadoras” são a base dos ritos que podemos chamar de “latinos”, os quais sofreram forte influência de outras escolas iniciáticas, místicas e esotéricas. Todos esses elementos presentes nesses Ritos, e que claramente não são heranças da Maçonaria Operativa, servem para incutir no candidato o medo, testando sua coragem e força de vontade. Muitos desses elementos têm simbolicamente caráter eliminatório, ou seja, a reprovação pode acarretar na não iniciação do candidato. Na verdade, são empréstimos feitos de outras Ordens, devidamente modificados e “maçonificados” quando da construção de tais ritos. Trata-se de algo até de certa forma incoerente com a Maçonaria, uma fraternidade em que, tradicionalmente, os candidatos são devidamente escolhidos, garantidos, aprovados e convidados antes da Iniciação, estando ali de livre e espontânea vontade deles e de todos os maçons presentes, não havendo motivo para testá-los.

O único conteúdo genuinamente maçônico que, de alguma forma, pode ser considerado como relacionado ao medo são as penalidades, essas similarmente presentes em todos os ritos. Porém, não se trata de uma vivência de medo, como nas situações impostas nos ritos “latinos”, e sim da pura e simples ciência da existência de uma penalidade simbólica no caso de infração. Em outras palavras, dá-se conhecimento de um código de conduta a ser seguido e da penalidade simbólica aos infratores. Esse é o único elemento que pode ser considerado relativamente “amedrontador” nos ritos maçônicos anglo-saxões, como o York e o Schroeder, por exemplo.

Para se ter uma ideia da preocupação de algumas Grandes Lojas no mundo em realizar iniciações em que reine a sensação de confiança, e não de medo, aproximando-se ainda mais do espírito iniciático da Maçonaria Operativa, há alguns anos atrás a Grande Loja Unida da Inglaterra tomou a iniciativa de, mais uma vez, modernizar seus rituais, suprimindo tal trecho do juramento. Dessa forma, extinguiu-se dos rituais ingleses qualquer passagem pela qual possa ser criada uma sensação de medo no candidato.


De qualquer forma, como registrado anteriormente, é aquele núcleo comum que torna a iniciação verdadeiramente maçônica, distinguindo-a das demais iniciações. E como uma sociedade de pensadores livres, os grupos maçônicos organizados e regulares tiveram a liberdade de, na devida forma, construírem seus ritos, acrescentando a eles os elementos condizentes com os valores e crenças que compartilhavam. Resumindo, não há rito bom e rito ruim, não há rito melhor que o outro, e sim constructos diferentes sobre a mesma base maçônica. Cabe ao maçom, como um verdadeiro pesquisador da verdade, compreender tais formações epistemológicas, optando por aquela ou aquelas mais condizentes com suas crenças, seu modo de pensar, e respeitando os princípios que as regem. Com ou sem medo.
Fonte: No Esquadro

RECEBA NOSSA NEWSLETTER
Digite seu e-mail:


FeedBurner


Share on Google Plus

Editor Luiz Sergio Castro